Quais seriam as dez maiores descobertas da arqueologia?

Estava no trabalho, quando meu editor sugeriu uma matéria para responder essa questão. Nem preciso dizer que amei a missão, certo? Meu cérebro ferveu. Quanto mais pesquisava, mais entrava em dúvida e várias ideias nasciam. Até postei no Twitter que entrevistara um pesquisador super prestativo.
Tratava-se do Pedro Paulo Abreu Funari, “atual professor do Departamento de História da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e membro de instituições internacionais do mundo inteiro”. Já havia conversado o professor para uma matéria sobre Atlântida, mas essa teve um “quê” de relembrar o passado – pegou? Renomado mundialmente, o pesquisador foi fundamental para elaborar a lista. Afinal, ele é quem sabe a importância científica de cada detalhezinho escavado/ encontrado. Eu, apenas, admiro o tema.
E as descobertas eleitas foram: Busto de Nefertiti, Jericó, Lucy, Luzia, Palenque, Parque Nacional Serra da Capivara, Pedra Roseta, Pompeia, Roma e Tumba de Tutankamon. Leia aqui a matéria completa. É claro que, como qualquer lista, esta pode ser criticada por muitos. Natural.
Imagine o quanto já foi encontrado e fundamental à ciência… Foi cruel escolher apenas dez. Deixamos de fora outras cidades da mesopotâmia e bíblicas – contam mais sobre o início da nossa história -, Machu Picchu – encontrada praticamente intacta -, os vasos gregos como o famoso François – registros da civilização antiga -, Petra – achavam que não passava de uma lenda -, objetos e vestuários romanos, inúmeras descobertas egípcias e muito mais.
Aliás, o professor contou que escavaram, se não me engano na Inglaterra, várias tabuinhas de madeira com escritos romanos – relativo ao Império Romano. Imagine, detalhes da vida cotidiana que alguém escreveu há mais de 1500 anos! É raro registros feitos nesse material, como vestimentas, durarem até hoje. Ele próprio traduziu o que continha em das tabuinhas. O que foi gravado? Uma senhora convidando outra para ir à festa de aniversário dela. Não é emocionante?
Fiquei contente em saber que conferi, pessoalmente, dois itens da lista: Roma e Pedra Roseta – veja como foi, aqui. Agora, só faltam as outras oito… Bom, e você? Conte quais descobertas fariam parte da sua lista.

9 comentários em “Quais seriam as dez maiores descobertas da arqueologia?”

  1. Meus pitacos.
    Eu colocaria os soldados de terracota do imperador Qin entre as maiores.
    Roma eu não trataria bem como uma descoberta – claro, tem descobertas puntuais nas escavações, mas a cidade em si e muitas de suas ruínas sempre estiveram ali à vista.
    E o mecanismo de Anticítera é também fascinante. Não que lance luz sobre todo um período, mas faz reavaliar a capacidade tecnológica dos gregos.
    Stonehenge, como Roma, não se qualificaria como descoberta. Mas a decifração de sua função é interessante e importante.
    []s,
    Roberto Takata

  2. Muito boa a sua lista! É realmente incrível saber que textos romanos de 1500 anos atrás foram encontrados na Inglaterra. Você sabia que os tabletes de escrita cuneiforme da Mesopotâmia começaram a ser redigidos mais de 5000 anos atrás? Por causa do material (argila), sobrou muita coisa que nos permite saber como surgiu a primeira civilização do mundo.

  3. Oi Takata! Esqueci de colocar isso no texto – fiz de cabeça, sem ter a entrevista em mãos. O professor e eu conversamos sobre o exército de terracota do primeiro imperador da China e sobre os megalitos, como de Stonehenge. Mãs… Ele concluiu que, se fossem para escolher dez, ambos ficariam de fora. Aliás, ele disse que existem inúmeros megalitos no Reino Unido, outros até científicamente mais interessante que Stonehenge. E, é verdade, muita coisa de Roma não estava enterrada. Mas milhares de coisa estão, Roma entra como um achado em geral. Outra descoberta que ele não atribui ao arqueólogos, já que foi encontrada em uma expedição de Napoleão, é a Pedra Roseta. No entanto, como Roma, entrou pelo valor arqueológico. 🙂 Ah, e bem lembrado do mecanismo de Anticítera – é fantástico!

  4. Mauricio, muito obrigada! O pesquisador disse que esses textos – em madeira – ficam melhor conservados em ambiente com lama. Veja que interessante! No deserto ou ambientes muito secos, madeiras e vestimentas são mais difícieis de serem encontradas… Eu não sabia detalhes sobre a escrita cuneiforme, comecei a pesquisar recentemente. Piro em pensar que “lemos” textos escritos há milhares de anos atrás. Será que alguém, daqui cinco mil anos, lerá o que a escrevemos atualmente? O computador não pode ser lapidado! Rs

  5. Zizis, eu discordo dessa lista, viu. Equipado com o meu embasamento nulo, acho que a Pedra de Roseta deveria estar em primeiro lugar, afinal de contas ela que abriu as portas para a galera compreender os hieróglifos, tô errado? O resto eu concordo. Beijo.

  6. Eu acho muito interessante esses lances de arqueologia. Mas confesso que sou bem leigo no assunto, não me aprofundo muito.
    De qualquer forma, adorei a lista! (Já a havia lido, na tua matéria do Yahoo Notícias – excelente!)
    E se as construções incas de Machu Pucchu poderiam estar numa lista dessas… (Já tive a felicidade de estar lá!) É porque você não viu ainda os templos moches em Trujillo, no Peru… =)
    =*

  7. penso que esistem artefatos ainda da ser avaliados. Um esenplo, nos anos 50 um arqueologo Italiano cavo uma intera colina na ilhaa de Sardegna trasendo á luz um inteiro vilarejio megalitico resalente a epocas
    ainda mais antigas que a civilizaçao egipzia tratasi da vilarejio de BARUMINI da era nuragica. Restos de carvao de fogueiras nas casas ana
    lizados ao carbonio 14 revelarono que esta misteriosa civilizaçao tem a belesura de mais de 7000 ( intenderom bem setemil anos) antes de Cristo
    Pena que as pesquisas pararono por falta de fundos. Saria interessante
    para intender e origem desto povo. De onde veio, e, a origem da lingua falada ainda oji na ilha que nao tem parentesco com nenhuma outra regiao Italiana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *