Bambu é usado como piso em residências

Aqui no blog, em posts dispersos, darei dicas, farei divagações e quero abrir discussões sobre decoração e sustentabilidade. Um tema complicado. Como já disse mil vezes, a melhor maneira de preservar o meio ambiente é não consumindo nada. Porém, qualidade de vida é essencial para cada uma das pessoas. Essa questão tem me corroído internamente. Mas vamos ao problema central de todos estes posts temáticos: como montar uma casa da maneira mais sustentável possível?
No final de semana, uma amiga arquiteta deu uma dica: piso feito de bambu. Este ano, durante uma entrevista, uma especialista em meio ambiente me disse que devemos aplicar a madeira em casa – claro que certificada. Entre suas razões, a madeira mantém o carbono fora da atmosfera e dura se cada tipo for corretamente usado de acordo com sua vocação. Como o bambu cresce mais rápido que uma árvore, achei interessante o caso. Além disso, minha amiga disse que visualmente o piso fica lindo. Abre um balão ao lado da minha cabeça… Quer conhecer o material? Clique aqui.

7 comentários em “Bambu é usado como piso em residências”

  1. “a melhor maneira de preservar o meio ambiente é não consumindo nada” – sabe que não é beeeem assim?
    P.e., uma boa parte da diversidade na Amazônia se deve ao mosaicismo do ambiente – em um ponto cai uma árvore e cria uma clareira, ocorre a sucessão ecológica e desenvolve-se ali várias espécies q não pode ocorrer em região de mata fechada. Como há vários pontos em diferente estados de sucessão há uma dinâmica temporal que enriquece o ambiente em termos de número de espécies e variação de hábitats e microclimas.
    Além disso, a produtividade primária de uma área em estágios iniciais de sucessão tende a ser maior do que a produtividade de uma comunidade climáxica.
    Ou seja, um certo grau de perturbação no sistema torna o ambiente mais rico.
    Um certo grau de exploração, removendo recursos, pode ajudar nesse grau de perturbação. O que não pode, claro, é que o distúrbio seja excessivo, aí o sistema degringola.
    []s,
    Roberto Takata

  2. A alternativa bambu é realmente interessante do ponto de vista da sustentabilidade. A planta cresce rápido, não exige uso de defensivos agrícolas nem adubação especial. Versátil, pode transformar em pisos, revestimentos e artigos de decoração. Mas sem dúvida existem outras opções. Um caso muito interessante é o trabalho do professor Jadir da Rocha, do Inpa. Ele pesquisa a produção de chapas feitas com folhas de árvores. Na Amazônia, a matéria-prima é coletada no chão, em assentamentos ou áreas degradadas. Nas cidades, poderia ser oriunda da poda e dar origem cursos profissionalizantes.

  3. será que é assim tão sustentável/ecológico?
    lembrando que o bambu é importado da China… e são lançadas toneladas de carbono para que o material chegue até nós!
    alternativas locais não seriam melhores?

  4. Takata, concordo que em alguns casos dar uma “mexida” no meio ambiente pode até ser saudável. O problema é o consumo exagerado e desnecessário… Essa é a minha questão… Que foi o que você colocou no final da explicação – aliás, muito boa!
    Maria, quando entrei lá ainda não estava! Preciso ler!
    Marcus, genial. Sem contar que chapas de árvores são belíssimas.
    Priscila, ele foi trazido da Ásia, mas existem cultivos em terra brasileira. 😉
    Pior, minha gente, é que descobri que o produto é relativamente salgado…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *