Oh, you’re approaching me?

Se você já assistiu JoJo’s Bizarre Adventure: Stardust Crusaders o título desse post lhe é bastante familiar 🙂 mas se não assistiu, também não tem problema que vamos explicar o que quer dizer e por que trazemos isso para falar sobre matemática.

No final dessa temporada do anime, o vampiro e vilão principal se revela com um poder contra o qual não é possível enfrentar. O protagonista é alertado sobre o que esse poder faz e recomendado a fugir. Mas em vez disso, ele avança de maneira séria na direção do vampiro que se surpreende com a postura de avançar em vez de fugir e diz a famosa frase “Oh, you’re approaching me?” (Oh, você está se aproximando de mim?).

Brincadeiras a parte, quando pensamos em realizar cálculos nos convem aproximar valores. Por exemplo, se estou trabalhando com frações e em dada circunstância preciso usar π. Pode ser mais interessante dependendo da margem de erro que preciso, chamar π de 3, ou se desejar uma expressão um pouco mais próxima, chamar π de 22/7 (~ 3.142). Embora não represente realmente o valor do número irracional π, pode ser o suficiente para obter um resultado próximo o bastante daquilo que precisamos.

Mas quando escolher o que aproximar e por quanto aproximar?

Então, essa é a cereja do bolo da Matemática. Não há uma regra universal para isso. Aproximar um valor de outro depende exclusivamente da precisão dos cálculos que desejamos realizar. Por exemplo, se desejo comprar um parafuso para meu notebook, não posso me dar ao luxo de adquirir um maior ou menor do que a medida exata de seu encaixe no aparelho. Nesse caso, preciso tomar a medida com uma aproximação que me permita escolher o parafuso certo. Assim, se a diferença de um parafuso para o outro é de 1 mm, o meu erro de aproximação na hora de escolher o parafuso certo é de no máximo 0.5 mm. Pois isso me fará procurar parafusos entre que estejam entre x – 0.5 mm e x + 0.5 mm, e nesse intervalo teremos apenas o parafuso que busco.

Mas ao falarmos de aproximação, isso também nos permite simplificar muitos cálculos para chegarmos em estimativas suficientes para nosso problema. Isso aparece de uma forma bem legal no conteúdo Vampiros disponível no repositório Matemática Multimídia.

Nesse áudio um vampiro se apresenta para uma moça convidando-a a se tornar um vampiro também e explica como a taxa de indivíduos da sua espécie cresce. Mas a moça diante desse padrão de crescimento, faz alguns cálculos rápidos aproximando valores para concluir que da forma como ele explicou, há um grande furo nessa história.

Ficou curioso para saber qual é o furo? Dê uma olhada no repositório e ouça o áudio na íntegra, você vai gostar!

https://m3.ime.unicamp.br/recursos/1260

Se tiver alguma dúvida, crítica ou sugestão, escreve ai nos comentários!

Autor: Zero

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *