Projeto “Sem Parar” impulsiona meninas na ciência pela participação em olimpíadas

Iniciativa de meninas e de mulheres engajadas com a ciência promove estudo gratuito de ciências exatas e biológicas.

Tempo de leitura: 3 min

Logo do projeto, disponível na página do Instagram.

Com o lema “Meninas ensinando meninas”, o projeto Sem Parar propõe ajudar alunas nos conteúdos de biologia, física, informática, matemática e química. O objetivo principal é auxiliá-las na preparação específica em olimpíadas científicas como forma de incentivá-las a participar e, com isso, aumentar a presença feminina nas competições.

Como relatam Ana Beatriz Studart e Luiza Clara Pacheco, co-fundadoras do projeto, a criação “foi uma iniciativa das duas co-fundadoras, que perceberam a minoria quantitativa de meninas participando ativamente de Olimpíadas Científicas. Ao voltar de uma semana de premiação da Olimpíada Brasileira de Matemática e notarem que de 100 participantes, apenas 10 eram meninas, decidiram que algo deveria ser feito para mudar essa realidade tão contrastante. Foram feitas pesquisas para analisar numericamente os dados de meninas e meninos participando e sendo premiados em competições de matemática, chegando à conclusão de que, com o passar do tempo, a participação feminina cai drasticamente. Assim, a ideia de fazer as meninas ‘não pararem’ se originou.

Como mostra o gráfico a seguir, as meninas ainda representaram a minoria em todos os níveis da prova da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas – OBMEP, do ano de 2017 [1], com porcentagem decrescente dos medalhistas conforme aumento do nível.

Figura 1 Gráficos que demonstram a participação feminina nos diferentes níveis das olimpíadas científicas OBMEP 2017, em relação às medalhistas de Ouro, Prata e Bronze (adaptado de [1]).

Como funciona o projeto?

As atividades consistem em aulas presenciais exclusivamente em Brasília e em Fortaleza. Porém, desde abril de 2020, devido à pandemia #NovoCoronavírus, foram disponibilizadas aulas virtuais para todo o Brasil. Outra ação realizada é o acompanhamento das meninas nas competições, pois o projeto promove o financiamento com o pagamento das inscrições, das despesas com deslocamento, eventual hospedagem e demais custos.

Criado em 09 de junho de 2018, o projeto completou recentemente 2 anos e é formado por meninas e mulheres voluntárias de diferentes formações (desde estudantes do 9º ano do ensino fundamental até medalhistas de olimpíadas internacionais e doutoras). As voluntárias são de diferentes regiões do Brasil, unidas com o objetivo de compartilhar a paixão pela ciência com outras meninas.

Não há pré-requisitos para a participação das alunas e a inscrição pode ser realizada no link disponível no Instagram do projeto (@sempararprojeto), que permitirá então o acesso às aulas, de forma gratuita. A participação de voluntárias, por sua vez, é feita por meio de um processo seletivo e já conta com 27 integrantes.

Conquistas do projeto

A partir de um levantamento realizado pelas integrantes do projeto, o sucesso das aulas fica evidente com o interesse de 100% das alunas que assistiram às aulas, no segundo semestre de 2018 e no primeiro semestre de 2019, em continuar participando de olimpíadas científicas.

O projeto já possui como resultado estudantes que conquistaram medalhas em olimpíadas científicas, entre elas uma prata na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP), na turma de 2019, assim como a conquista de uma bolsa de estudos em uma escola particular renomada.

Um caso particular impactou a equipe de matemática, com a classificação de uma das alunas para a Olimpíada Brasileira de Matemática (OBM), na qual são selecionadas 300 pessoas dentre milhões de participantes de cada nível, como explicaram as co-fundadoras.

Elogios ao projeto também são comuns entre as alunas, que relatam o interesse em se tornarem professoras, pesquisadoras, engenheiras, entre outras profissões. Nas palavras das voluntárias: “O mais importante para nós é elas terem aprendido a ideia de que elas podem ser o que quiserem.”

As aulas virtuais estão sendo também determinantes para o crescimento do projeto, que já abrange 20 estados, com pedidos de pais e de alunas para que esse formato continue mesmo após o retorno normal das atividades.

Planos para o futuro…

Como o objetivo principal do projeto Sem Parar é impactar diretamente no aumento da participação feminina em Olimpíadas Científicas, tanto nacionais quanto internacionais, ele continuará existindo até que a presença das meninas no âmbito olímpico se torne mais justa e igual, em comparação aos meninos, conforme informaram as integrantes do projeto.

Isso porque o cenário ideal seria não existir mais a necessidade da atuação de projetos como esse para garantir a igualdade de gênero nas competições. Até que isso aconteça, as integrantes do projeto esperam alcançar não só meninas de todo o país de modo virtual, mas também presencial, abrangendo assim o máximo de lugares, idades e classes sociais.

Como contribuir?

A divulgação e falta de verba são algumas dificuldades enfrentadas pelas integrantes do projeto, que buscam viabilizar o acesso de qualquer menina às aulas, independentemente de renda. Além disso, ocasionais preconceitos relacionados à ideia do projeto são enfrentados quando feita a divulgação nas escolas.

Tais obstáculos, contudo, não as desanimam do sonho de divulgar ciência e torná-la presente na vida das meninas.

Para contribuir com o projeto, é possível comprar as camisetas com o desenho original e slogan “Faça ciência como uma garota”, cujo valor custeia as atividades presenciais (transporte, impressão de materiais, alimentação, taxa de inscrição de olimpíadas, etc.).

Logo do perfil do Instagram do Projeto Sem Parar

Tão importante quanto a ajuda financeira é essencial compartilhar a página para uma ampla divulgação e conhecimento das meninas que precisam dessa rede de apoio:

Na nossa vivência, a representatividade e o apoio emocional foram as melhores formas de cativar as meninas. Nós mostramos para elas que existem outras mulheres que conquistaram e descobriram coisas incríveis, e deixamos claro que acreditamos que elas conseguem fazer o mesmo e que apoiaremos elas nesse caminho. Acreditar nas nossas alunas é a base de tudo.”, disseram as integrantes do projeto.  

Então, para quem apoia as ações voltadas ao incentivo das meninas na ciência, o Projeto Sem Parar sem dúvida é um exemplo a ser seguido, acolhido e compartilhado. 

#FaçaCiênciaComoUmaGarota #MulherNaCiência #EmpoderamentoFeminino

Referências

[1] Cad. Gên. Tecnol., Curitiba, v. 12, n. 39, p. 133-147, jan./jun. 2019

As informações contidas neste artigo foram obtidas por entrevista concedida pelas integrantes do Projeto Sem Parar Ana Beatriz Studart e Luiza Clara Pacheco e por dados constantes na página do projeto no instagram @sempararprojeto. 

Autoras: Carolina Filipini Ferreira, Luisa Fernanda Rios Pinto e Gabriela Filipini Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *