Comunicação sobre ciência – pensando no público

Escrever sobre ciência é sempre propor a mesma coisa? Não, mas isso é que torna a comunicação tão interessante.

Na linguagem, seja ela escrita, oral, ou visual, é essencial lembrar da interação no processo de comunicação. Comunicar um assunto, pressupõe uma interação com outra(s) pessoa(s).

Essa interação com o outro não é unidirecional, mesmo quando pensamos o texto acadêmico, aquele presente nos artigos científicos.  Nele, a nossa conversa é feita com os pesquisadores (autores) que nos antecederam e os que no futuro irão ler, citar, concordar ou discordar com os resultados de nossa pesquisa.

Apesar de assíncrona – não acontece em tempo real, ou no mesmo local – sim, há uma troca/conversa entre pesquisadores em um artigo. Nele, a escolha das palavras é baseada nas que são comuns em um determinado campo, ou seja, comum aos nossos pares da academia. O uso de termos específicos, os jargões científicos, são usuais.

Todos os cientistas/pesquisadores usam os mesmos termos? Você provavelmente irá lembrar que há termos que são específicos ou usados com mais frequência em um determinado campo científico e acaba não sendo familiar para um pesquisador de uma outra área ou campo. Uma campo científico tem um vocabulário, linguagem e discurso próprios. Dessa forma, nem todos os pesqusiadores usam os mesmo termos.

Agora pensemos no discurso do dia-a-dia, como eles mudam de acordo com os tipos de interação nas diferentes esferas das quais fazemos parte, como por exemplo, a familiar, a de trabalho, as da comunidade em que moramos. Em cada uma delas, a forma como nos comunicamos é diferente.

Há, portanto, diferentes formas de se construir um tipo de discurso, com conteúdo, estilo e forma de construção. Existem diferentes gêneros de discurso. 

Então a forma como comunicamos sobre ciência, ou preparamos nosso conteúdo sobre ciência, muda conforme o contexto, do qual o nosso público faz parte.

Por esse motivo, quando procuramos fazer divulgação científica, a primeira coisa que devemos pensar é Quem é o meu público alvo? Alguns vão dizer que o público alvo é o público em geral, mas será que ele existe?

O mito do público em geral

Quando pensamos em um conteúdo, devemos pensar para quem estamos escrevendo ou preparando o material, lembrando que além de escrito, o material pode ser o audiovisual. 

Pode-se pensar que o material que se está preparando é para o público em geral, em contraponto aos que são especialistas no assunto, mas será que isso é uma boa ideia?

Vamos pensar a população brasileira. Os últimos dados do IBGE mostram que somos mais de 211 milhões de brasileiros distribuídos pelas 27 unidades federativas com a seguinte Piramide Etária:

https://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao//

Além de mostrar que há uma diminuição da taxa de natalidade e o aumento da expectativa de vida – a base da pirâmide vem diminuindo, enquanto a porção superior vinha se alargando – ela mostra a faixa de intervalo de idade dos brasileiros. 

Não é possível pensar na população brasileira com uma única identidade, mas com as diversas características socioeconômicas e culturais. Essa população heterogênea nos dá a ideia sobre os públicos. Não há um público único e homogêneo. É preciso passar da ideia de público geral para o público que se quer interagir.

Pensando no público para seu conteúdo1

Antes de começar a produção do seu conteúdo, o planejamento é essencial. Para isso, comece a rascunhar o perfil do seu público. Começar pela idade, escolaridade e gênero é um bom início, mas outra opção mais detalhada é a criação de uma personagem (uma persona), aquela ideal que você quer alcançar com o seu conteúdo e interagir.

Essa estratégia de comunicação que vem sendo aplicada no planejamento de marketing e publicidade, mas pode ajudar no seu plano de divulgação científica. 

  • Persona (personagem):
  • Idade:
  • Gênero: 
  • Profissão:
  • Escolaridade:
  • Perfil socioeconômico: 
  • Costumes:
  • Um pouco sobre a rotina:
  • Onde, como e quando a persona consome informação?

A partir daí é possível se pensar na linguagem, formato de conteúdo, mídia usada e forma de divulgação (impresso, site, redes sociais) que serão discutidas nas próximas postagens. 

Notas:

1Esse exercício foi inspirado no curso de comunicação do Blogs de Ciência da Unicamp, a Integração (ao Blogs Unicamp), voltado para a divulgação científica e que acontece semestralmente. No curso, além da teoria sobre comunicação, há prática de escrita e de formas de divulgação de conteúdo nas redes sociais. 

Dicas:

O Blogando e Aprendendo da Carol Frandsen traz dicas sobre como construir seu blog, publicar posts. 

O Mindflow da Erica Mariosa fala sobre a divulgação científica e seus processos. 

Referências

Mikhail Bakhtin (2016). Os gêneros do discurso. São Paulo: Editora 34. 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*