7 Mitos e Verdades: O que faz o Fonoaudiólogo?

A fonoaudiologia é uma área da saúde recente e por isso ainda é pouco conhecida pelas pessoas. E assim, é muito comum, ao explicarmos que cursamos fonoaudiologia para familiares e amigos, que eles nos respondam com a pergunta “fono o que?”. E depois da estranheza inicial, sempre aparecem as perguntas: “Fonoaudiólogo ensina criança a falar, né?”, “Tem que fazer medicina primeiro?”. E Bom, não é bem assim.

A fonoaudiologia é uma profissão ligada à saúde, e o fonoaudiólogo é responsável por cuidar de tudo que envolve a comunicação humana falada ou escrita. Ele pode trabalhar com linguagem, voz, fala, audição e alterações dos músculos e articulações da cabeça e do pescoço, sendo também responsável por cuidar de problemas relacionados à dificuldade de aprendizagem e problemas que envolvem as funções de mastigar e engolir. Assim, o fonoaudiólogo pode prestar serviços de reabilitação, prevenção e promoção de saúde, dando orientações aos pacientes e fazendo intervenções para melhorar as estruturas e funções de comunicação falada, expressiva e escrita.

Apesar de estar presente em vários lugares, o fato de ser uma área nova e que poucas pessoas conhecem resulta em várias dúvidas, mitos e equívocos sobre a fonoaudiologia e o fonoaudiólogo, mas que podem ser esclarecidas facilmente. Vamos lá?

1. A Fonoaudiologia é uma área da medicina [MITO]

Ao contrário do que muitos pensam, o fonoaudiólogo não é um médico, e a fonoaudiologia não é uma especialização. Não é necessário cursar medicina para se tornar um fonoaudiólogo, é preciso fazer o curso de fonoaudiologia na faculdade que dura aproximadamente 4 anos e é oferecido em instituições públicas e privadas.

2. Crianças brincam nas consultas de fono [VERDADE]

Porém, toda brincadeira realizada durante a sessão de fonoaudiologia tem algum propósito, seja para avaliar as condições gerais da criança (como ela se comunica e como ela interage), para estimular o desenvolvimento na aquisição da fala, como estratégia para favorecer os exercícios de movimentação do rosto, o desenvolvimento da escrita ou o desenvolvimento de linguagem, dentre outros. Além disso, o brincar é de extrema importância para o desenvolvimento de qualquer criança, principalmente o faz-de-conta que requer imaginação e criatividade.

3. Fono só ensina criança a falar [MITO]

O fonoaudiólogo trabalha em todas as faixas de idade e em diversas questões que dizem respeito à comunicação e à saúde, não somente a fala. Todas as crianças normalmente aprendem a falar com a exposição a uma língua durante a infância quando está tudo ok com todos os processos do desenvolvimento geral e estruturas envolvidas no processo da fala.

O fonoaudiólogo, então, não ensina a falar, ele é o profissional que auxilia quando há algum atraso, dificuldade ou trocas nessa fala, estimulando as crianças, adolescentes e adultos a desenvolverem sua língua corretamente e a se expressarem através da linguagem. Ainda assim, o estímulo de desenvolvimento da fala é apenas uma das vertentes de atuação do fonoaudiólogo.

4. O fonoaudiólogo só trabalha em clínicas e sozinho [MITO]

O fonoaudiólogo pode trabalhar em diversos lugares além das clínicas como: centros de saúde, ambulatórios de especialidades, hospitais, maternidades, consultórios, em atendimento domiciliar, asilos, creches, berçários, escolas, empresas, rádio, teatro e televisão! Além disso, o fonoaudiólogo pode trabalhar junto com outros profissionais da saúde como médicos que cuidam da cabeça e pescoço, dentistas, nutricionistas, fisioterapeutas, enfermeiros e psicólogos, além de manter uma relação próxima com a área da educação. Tudo em busca dos melhores resultados em tratamentos para os pacientes.

5. Existem muitas áreas da fonoaudiologia para dar conta de tudo que o fonoaudiólogo pode fazer [VERDADE]

O fonoaudiólogo pode trabalhar em muita coisa, e para organizar isso existem as áreas de especialidades que separam as funções e tratamentos para que todos os pacientes tenham o melhor atendimento voltado para sua necessidade. Essas áreas, atualmente 11 no total, são: [clique na imagem para expandir]:

Gráfico com as áreas da Fonoaudiologia

6.​ ​A fonoaudiologia é igual em todos os lugares do mundo [MITO]

A fonoaudiologia existe em muitos outros países além do Brasil e possui suas singularidades em cada um deles, e para ajudar a esclarecer essas diferenças, aqui citaremos alguns.

Nos Estados Unidos, o estudante deve optar por estudar audiologia ou fonoterapia, assim quem optar pela audiologia irá atuar nos processos que envolvam a audição, enquanto quem estudar fonoterapia, poderá atuar nas demais áreas que apresentamos. Além disso, em fonoterapia, os profissionais devem obter título de mestre para exercerem a profissão de forma livre, sendo que antes disso podem trabalhar em escolas e somente com supervisão. Já os audiologistas precisam de diploma de doutorado para exercerem a profissão.

Assim como nos Estados Unidos, no Canadá a fonoaudiologia é divida em duas profissões distintas, a audiologia e a patologia da linguagem e da fala, sendo que a profissão ainda é variada de acordo com cada estado do país, sendo que em Toronto, por exemplo, a fonoaudiologia só está disponível em nível de mestrado e é obrigatório a participação no conselho regional.

Na Inglaterra, o mesmo padrão acontece, a fonoaudiologia é dividida em duas profissões distintas: A speech & language therapy (terapia da fala e da linguagem), que não aceita profissionais de outros países para trabalhar nessa área, e a audiologia que é desde 2002 um curso universitário e que valoriza o diploma brasileiro em seus territórios.

Nos países sul americanos, por sua vez, conseguimos ver que a profissão se parece mais com a fonoaudiologia do Brasil, porque é um curso universitário e unificado, não tendo as separações em duas profissões. Na Colômbia e no Chile, por exemplo, o curso tem uma duração maior de 5 anos, mas as especialidades são muito parecidas com as do Brasil.

7. Existem filmes que mostram a atuação de fonoaudiólogos em suas histórias [VERDADE]

Pra quem chegou com a leitura até aqui e tem interesse ver mais coisas sobre a profissão, existem vários filmes que envolvem assuntos de interesse na fonoaudiologia e que podem ser uma boa pedida para conhecer mais o trabalho e a importância do fonoaudiólogo em diversos contextos.

Nossas sugestões são três: os filmes ​“O Discurso do Rei” ​(gagueira) “A Teoria de Tudo” ​(paralisia, comunicação alternativa) e o documentário “My beautiful broken brain” ​(comprometimento neurológico após derrame). Mesmo não sendo o foco principal das histórias, o  papel do fonoaudiólogo é presente nas três, seja realizando terapia e trabalhando na comunicação verbal, trabalhando com questões de alimentação e comunicação alternativa ou empenhado em realizar a reabilitação pós trauma, mostrando a importância da fonoaudiologia em diferentes contextos.

E aí, agora que você sabe um pouco mais sobre a fonoaudiologia, que tal compartilhar as informações com seus amigos e familiares? Ajude a tornar esse profissional da saúde que é tão importante a ser mais reconhecido, como figura de uma profissão independente com várias competências e habilidades, e que mesmo depois de ser perguntado “Fono o que?” repete orgulhoso: Fonoaudiólogo.

Veja também um infográfico sobre o fonoaudiólogo clicando aqui.

REFERÊNCIAS:

Audiologista Brasileira em Londres. Brasileiras pelo mundo. Disponível em: <http://www.brasileiraspelomundo.com/audiologista-brasileira-em-londres-511920367>. Acesso em: 30 Jan 2018.

Brandão, Lenisa et. al. Neuropsicologia como especialidade da Fonoaudiologia: Consenso de Fonoaudiólogos Brasileiros. Disponível em: <​https://revistas.pucsp.br/index.php/dic/article/view/26732​>. Acesso em: 01 Fev 2018.

Fonoaudiologia – Profissões regulamentadas no Canadá.Immi-Canadá. Disponível em: < https://www.immi-canada.com/fonoaudiologia-profissoes-regulamentadas-no-canada-serie/> Acesso em: 01 Fev 2018.

O que é Fonoaudiologia. Conselho Regional de Fonoaudiologia – 2a Região São Paulo. Disponível em: <http://www.fonosp.org.br/crfa-2a-regiao/fonoaudiologia/o-que-e-a-fonoaudiologia/>. Acesso em: 01 Fev 2018.

Beatriz Thedim Tourinho Rodrigues

Estudante de fonoaudiologia da UNICAMP desde 2016, com interesse na área de audiologia. Autora do trabalho de conclusão de curso “Achados miofuncionais e vestibulares em portadores da síndrome da apneia obstrutiva do sono (SAOS)”

Ingrid Souza

Estudante de Graduação do curso de fonoaudiologia da UNICAMP

Luana Mendes

Estudante do curso de Fonoaudiologia da Unicamp, da turma de 2016. Membro da comissão do Congresso Médico Acadêmico da UNICAMP, desde 2017 e amante da "Neurolinguagem" e "Análise de Discurso".

3 Comentários

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*