Economia e mudança de hábitos

Recebi essa reportagem do Jornal O Tempo que contém diversas informações e números sobre economias na conta de eletricidade com pequenas mudaças nos hábitos cotidianos. Não chequei as contas, mas não devem estar muito fora da realidade.

De qualquer forma são informações úteis e não custa nada prestar mais atenção ao nosso dia a dia!

Conta de luz: cada aparelho fora da tomada economiza R$ 6
O Tempo – MG
01/06/2009

Mudança de hábitos. Lâmpadas econômicas e banhos mais rápidos fazem a diferença no fim do mês

Se o consumo for menor do que 90 Kwh, ICMS não é cobrado

Queila Ariadne Sabe aquele aparelho que você deixa ligado na tomada mesmo quando nem está em casa? Se desconecta-lo, a economia mensal pode chegar a R$ 6. O cálculo considera uma televisão que, se ficasse ligada full time (tempo integral) consumiria 10 Kwh a mais do que o necessário, ao custo de R$ 0,60 cada Kwh. O gerente de soluções energéticas da Cemig, Luciano Barreto, explica que a conta pode ser feita para qualquer equipamento que tenha o modo stand by, aquela luzinha que fica acesa e aciona o controle remoto.

Para uma casa com duas televisões, um DVD, um computador, um som e um microondas, por exemplo, a economia pode chegar a R$ 36 no fim no mês. “Não precisa nem tirar da tomada o tempo inteiro, se retirar só à noite, o consumidor já consegue economizar metade, R$ 3 por mês em cada aparelho”, alerta Barreto.

A professora Marli dos Santos Oliveira aderiu à estratégia há um ano e viu a conta de luz cair de R$ 94,37, em março de 2008, para R$ 32,94, queda de 65%. É que, com a economia em Kwh, ela acabou caindo num benefício garantido por lei: quem consome menos de 90 Kwh por mês fica livre do ICMS, que é 30% do valor total da conta. “Antes, a média de consumo era 118 Kwh e agora fica na casa dos 80 Kwh”, compara Marli.

Estratégias. Para cortar os gastos, Marli e o marido mudaram vários hábitos. Além de desligar tudo da tomada quando saem de casa, a roupa só é passada em um dia da semana. Os banhos ficaram mais rápidos. Para não usar o muito o microondas, ela passou a retirar a carne do freezer um dia antes de prepará-la, para descongelar naturalmente. “Mudamos os hábitos sem sacrifícios, só aumentando a atenção. Continuo tomando dois banhos por dia, só que evito tomar no horário de pico e demoro menos”, conta.

De acordo com Luciano Barreto, o segredo da economia está na mudança de hábitos. No caso de Marli, essas pequenas mudanças têm gerado uma economia média de R$ 60 por mês. Ao final de um ano, são R$ 720 a mais no orçamento.

A importância do selo Procel

Vantagem

O selo indica que o equipamento foi aprovado pelo Inmetro. Se todos os aparelhos de uma casa tiverem, a economia será maior do que 30% ao mês

Lâmpada fluorescente Consome cerca de 25% do que uma incandescente gasta

Geladeira nova com selo Substituindo uma com mais de 10 anos de uso pode consumir até 50% menos

Ventilador de teto com selo Pode ter o dobro do rendimento (m³ de ar soprado/ kWh consumido)

Vilão

Chuveiro é o que mais gasta energia O chuveiro é o equipamento elétrico que mais consome energia. De acordo com dados do Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel), um equipamento com potência 3.500 Kwh, usado 40 minutos por dia, 30 dias por mês, gera um consumo mensal de 70 Kwh. A Cemig cobra R$ 0,60 por cada Kwh, ou seja, só com o chuveiro o consumidor gastaria R$ 42 por mês. “Uma boa dica é usar o modo verão, pois o inverno gasta até 30% a mais de energia. Para o banho ficar mais quentinho é só abrir um pouco menos”, aconselha Barreto.

Segundo o gerente da Cemig, depois do chuveiro os maiores vilões são os equipamentos de resfriamento e a iluminação. “As pessoas têm mania de colocar pratos quentes na geladeira, isso aumenta o consumo, pois tem que gerar mais energia para resfriar o alimento até a temperatura que já está dentro da geladeira”, alerta.

Já no caso da iluminação, a dica é trocar as lâmpadas. “As fluorescentes duram até oito vezes mais do que as incandescentes e não custam muito mais.”

Publicado em: 01/06/2009

Gilberto

Professor Titular em Sistemas Energéticos do Departamento de Energia, Faculdade de Engenharia Mecânica da UNICAMP (Universidade de Campinas), Pesquisador Sênior do Núcleo Interdisciplinar de Energia da UNICAMP (NIPE-UNICAMP). Diretor Executivo da International Energy Initiative-IEI, uma pequena, organização não-governamental internacional, independente e de utilidade pública conduzida por especialistas em energia, reconhecidos internacionalmente e com escritórios regionais e programas na América Latina, África e Ásia. O IEI é responsável pela edição do periódico Energy for Sustainable Development, da editora Elsevier.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Skip to content