Economia paulista apresenta redução da emissão de gás carbônico.

Artigo interessante dos professores Ricardo Abramovay e Danilo Igliori, publicado no Valor Econômico de 02/062010 mostrando os avanços na descarbonização do conteúdo energético da indústria do Estado de São Paulo, mas ao mesmo tempo alertando sobre a necessidade de também enfrentar o problema de avançarmos com maior eficiência nos processos!

De certo modo, já era esperada essa redução do conteúdo de carbono no mix energético da nossa indústria: estamos usando mais biomassa da cana e continuamos a aumentar o consumo de eletricidade. Essa tendência já vem de vários anos. A eletricidade aumenta a taxas maiores que o próprio PIB. Maior atenção e investimentos em inovação industrial devem ser prioridade para desacoplar o consumo de energia e produção industrial. Temos uma lição de casa a fazer. Reproduzo abaixo um parágrafo do artigo. Leiam o artigo completo.

 
 

No entanto, quando se observa a intensidade energética do PIB paulista, ou seja, quanta energia (independentemente de sua fonte ser fóssil ou renovável) se consome para cada unidade produzida, o que se vê é um aumento considerável. O Balanço Energético de São Paulo mostra queda na intensidade energética do setor primário (o que indica menor uso de energia, na agricultura e na mineração), permanece estável a do setor terciário, mas aumenta de forma muito significativa a da indústria. Entre 1994 e 2006, há um aumento de 26% no consumo de energia por unidade de produto industrial em São Paulo.

Artigo completo

Gilberto

Professor Titular em Sistemas Energéticos do Departamento de Energia, Faculdade de Engenharia Mecânica da UNICAMP (Universidade de Campinas), Pesquisador Sênior do Núcleo Interdisciplinar de Energia da UNICAMP (NIPE-UNICAMP). Diretor Executivo da International Energy Initiative-IEI, uma pequena, organização não-governamental internacional, independente e de utilidade pública conduzida por especialistas em energia, reconhecidos internacionalmente e com escritórios regionais e programas na América Latina, África e Ásia. O IEI é responsável pela edição do periódico Energy for Sustainable Development, da editora Elsevier.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Skip to content