Você confia no WhatsApp?

“As mensagens que você enviar … são protegidas com criptografia de ponta-a-ponta”

Já esteve curioso para saber o significado da mensagem no balão amarelo quando inicia-se uma conversa no WhatsApp?

Afinal, o que é essa tal de criptografia?

Se está curioso para finalmente entender o alerta do balão amarelo, confira o seguinte vídeo:

Esse vídeo da coleção Matemática Multimídia é uma ótima estratégia de introdução a este assunto. Como visto, a ideia de criptografia precede muito o aplicativo.

Mas será que era segura?

Quando surgiram as técnicas de criptografia que de fato são utilizadas hoje em dia?

Uma técnica que antecede a codificação de mensagens, é sua ocultação, chamada de esteganografia. Uma das técnicas utilizava o couro cabeludo dos romanos para camuflar mensagens escritas em suas cabeças (raspadas previamente). Outro exemplo de esteganografia foi uma mensagem secreta descoberta pelo físico Frank Meshberger, em 1990. Em seu artigo, sobre a obra a “A Criação de Adão” (datada entre 1508-1512), de Michelangelo, Frank identificou uma ilustração oculta de um cérebro humano, atrás da figura de Deus e dos anjos.

No entanto, a esteganografia (que esconde mensagens), é distinta da criptografia, visto que ela deixa o conteúdo visível porém codificado de modo que seja compreensível somente ao destinatário desejado.

Uma técnica de criptografia muito posterior à Cifra de César foi criada por Blaise de Vigenère e se tornou conhecida como Cifra de Vigenère. Este método, apesar de já possuir um alto nível de dificuldade para descriptografar mensagens, pode ser discutida a partir de conteúdos vistos no Ensino Médio. Confira:

Será que o WhatsApp usa a Cifra de Vigenère para criptografar as suas mensagens?

Apesar de a Cifra de Vigenère ser muito mais resistente do que as Cifras de César, a tecnologia atual pode quebrá-la facilmente. Todavia, quebrar esta cifra foi fundamental, uma vez que, historicamente, houve uma relação direta entre a criação de técnicas mais avançadas a medida que as técnicas disponíveis eram quebradas.

O empresário e programador Mark Zuckerberg, proprietário do mundialmente famoso WhatsApp, utiliza a criptografia com sistema RSA de chave pública para tornar a troca de mensagens sigilosa. De forma simplificada, o que garante a segurança do sistema RSA é a atual dificuldade no processo de encontrar números primos grandes (dúvidas sobre números primos? Confira: O que é número primo?)

Portanto, caso consigam encontrar uma fórmula capaz de determinar, diretamente, qualquer número primo, todo o sistema de criptografia RSA se tornará obsoleto, logo, o WhatsApp terá que migrar para um sistema mais robusto.

Ficou curioso?

Em breve, mais um post sobre a criptografia do WhatsApp com outros recursos da coleção Matemática Multimídia! Fiquem antenados! =)

Caso queira se aventurar neste tema, ou compartilhar com os alunos, confira na íntegra os recursos educacionais que incluímos acima.

https://m3.ime.unicamp.br/recursos/1067

https://m3.ime.unicamp.br/recursos/1064

Além destes, o M³ é rico em diversidade neste assunto, desde matrizes, experimentos, criptografia avançada, além de mídias audiovisuais para todos os gostos, confira:

https://m3.ime.unicamp.br/recursos/search:criptografia

Se gostou, tem alguma dúvida ou crítica, poste nos comentários, ficaremos felizes em respondê-los =).

Imagens de capa e do post são autorais.

Autor: JM

One thought on “Você confia no WhatsApp?

  • 22 de julho de 2020 em 14:26
    Permalink

    Very interesting, indeed.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *