Preocupações em torno à edição genética (V.3, N. 2, 2017)

Coloquemos primeiramente o senso comum para funcionar. De imediato surgem uma série de perguntas básicas: Quais são os efeitos de larga escala das manobras de interferência genética? Consideremos, por exemplo, a questão do ZIKA/DENGUE. A proposta é editar a informação do DNA e gerar no laboratório populações de mosquitos sem a doença que, ao misturar-se e reproduzir-se com indivíduos contaminados, cheguem finalmente a substituí-los por completo. A ideia de insetos “produzidos” no laboratório e liberados massivamente não é em absoluto atrativa – contudo, a pandemia é menos atrativa ainda. Então: como definir as prioridades em casos como este?

Você pode gostar...

Skip to content