Biocombustíveis

Internacionalmente tem se verificado que as políticas para o desenvolvimento de tecnologias de energia estão dedicando maior atenção a modernas formas de aproveitamento de energia da biomassa. Preocupações de ordem ambiental, aproveitamento de resíduos agrícolas, criação de novos mercados para produtos agrícolas, tem orientado as discussões.
 
Ainda hoje a tecnologia dominante para utilização energética da biomassa tem sido a combustão direta, seja a partir de lenha, resíduos de processos industriais, utilização de bagaço de cana, etc. Cerca de 11% do consumo mundial de energia primária provém de biomassa e dessa parcela, cerca de 97% é utilizada através de processo de combustão direta. De uma maneira geral esse é um processo de conversão que apresenta impactos ambientais negativos e é pouco eficiente do ponto de vista energético. A biomassa é energicamente pouco densa, ou seja, é necessário grande quantia de biomassa para poder extrair a mesma quantidade de energia que um litro de gasolina, por exemplo.
 
A utilização moderna de biomassa procura resolver esse dois aspectos: o ambiental promovendo substituição (total ou parcial) de combustíveis fosseis, e concebendo sistemas de produção e utilização sem acrescentar emissões de CO2;  e o aumento de sua eficiência energética através de rotas tecnológicas onde é possível aumentar sua densidade energética.
 
Entre as formas modernas de utilização de energia da biomassa estão as tecnologias de produção de bio-combustíveis. Hoje em dia temos o etanol que é o principal bio-combustível sendo utilizado em escala comercial e também o bio-diesel, consumido em escala muito menor principalmente em alguns países da Europa e os EUA, mas com grandes perspectivas de aumento de sua utilização.
 
O Brasil já promove uma substituição parcial da gasolina pelo etanol, que chega a representar, em termos de energia térmica, mais de 40% do consumo anual de gasolina. A utilização de óleos de origem vegetal para a produção de eletricidade e para transporte são outras possibilidades que ainda não alcançaram escalas significativas no país e que pode contribuir para a substituição do óleo diesel, hoje o derivado de petróleo de maior consumo no país. O Brasil também está implementando instrumentos importantes para criar um mercado mais estável para algumas fontes renováveis, entre elas a biomassa. Duas dessas medidas são o PROINFA e a obrigatoriedade da universalização dos serviços de energia elétrica.
 
As vantagens de utilização de bio-diesel são conhecidas, vale mencionar as vantagens ambientais com a redução de emissões locais (especialmente enxofre e particulados, hidrocarbonetos), em substituição ao diesel contribui para estabilização das emissões de CO2. Além disso, possui impactos positivos na balança comercial evitando a importação de petróleo,  e possibilita a geração de emprego e renda em toda sua cadeia produtiva e de transformação, criando também novos mercados para as oleaginosas.
 
A utilização de bio-diesel como combustível para geração de eletricidade em comunidades isoladas pode contribuir significativamente para a geração de renda local e inclusão social de comunidades remotas, além de promover a substituição do diesel subsidiado que necessita ser transportado até essas regiões.
 
É bastante razoável afirmar que o Brasil já possui um grande potencial e nível tecnológico adequado para atuar no mercado internacional de bio-combustíveis. No entanto, ainda é necessário garantir níveis maiores de competitividade em relação a Europa e os EUA, especialmente devido aos investimentos e esforços que estão em curso nesses países.

 
Powered By Qumana

Gilberto

Professor Titular em Sistemas Energéticos do Departamento de Energia, Faculdade de Engenharia Mecânica da UNICAMP (Universidade de Campinas), Pesquisador Sênior do Núcleo Interdisciplinar de Energia da UNICAMP (NIPE-UNICAMP). Diretor Executivo da International Energy Initiative-IEI, uma pequena, organização não-governamental internacional, independente e de utilidade pública conduzida por especialistas em energia, reconhecidos internacionalmente e com escritórios regionais e programas na América Latina, África e Ásia. O IEI é responsável pela edição do periódico Energy for Sustainable Development, da editora Elsevier.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Skip to content