Ecos dissonantes da banalidade do mal (V.5, N.1, 2019)

Em 1968 o Ato Institucional número 5 (AI-5) conferiu ao presidente o poder de fechar o congresso, suspendeu os direitos políticos de servidores e a garantia do habeas corpus. Foi o momento mais duro do regime militar brasileiro (1964 – 1985). Em seu aniversário de 50 anos, em dezembro de 2018, diversos comentários o saudaram como melhor momento da história do Brasil, como o ato que salvou o Brasil de uma ditadura comunista, e como uma ferramenta pela defesa da democracia.

Open Philosophy

Formada em Ciências Humanas pela UM (Universidad de Montevideo, 2010), defendeu a dissertação de mestrado “Estrutura e Dinâmica da Psique na República de Platão” na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp, 2012), sob orientação do Professor Lucas Angioni. Atualmente, na mesma casa e sob a mesma orientação, é doutoranda em Filosofia Antiga e trabalha na tese “Utopia e pessimismo na República de Platão”. Sua pesquisa se foca na Filosofia Clássica mas abrange também temas éticos, políticos e psicológicos contemporâneos. Leitora e escritora de tempo completo, confia na reflexão e no diálogo como caminhos para a realização e a liberdade. Criadora do projeto Open Philosophy, é geradora frequente de conteúdo.

Você pode gostar...