O ensino remoto durante a pandemia pelos olhos da Profa. Dra. Michelle Rocha-Parise

Publicado por Carolina Francelin em

"Michelle Parise-Rocha. Arquivo pessoal. Todos os direitos reservados"

Michelle Rocha-Parise. Arquivo pessoal. Todos os direitos reservados.

Das alterações provocadas pela pandemia da COVID-19, o setor educacional foi um dos mais afetados e o retorno às aulas está sendo bastante complexo de se resolver. Pensando nisso, nós do Ciência Pelos Olhos Delas desejamos trazer um olhar por dentro da problemática do ensino remoto por meio de conversas com profissionais do ensino fundamental/médio e superior.

Mundialmente, o primeiro decreto de quarentena levantou discussões sobre o bem e/ou mal que o isolamento de crianças e jovens adultos poderia causar no desenvolvimento intelectual e social daqueles que ficaram em casa.

Conforme o isolamento social foi se estendendo, o ensino foi reinventado para ser apresentado por meio de uma plataforma digital – aquela que pode ser feita à distância. Acreditamos que ela foi criada com o intuito de reduzir os impactos na progressão acadêmica dos alunos e também auxiliar economicamente as instituições. Contudo, essa alteração requer estudo e ações que viabilizem o andamento das aulas de forma igualitária a todos. 

Aqui trazemos dois relatos de experiência, um hoje e um na semana que vem, para compartilhar um pouco a realidade do ensino remoto, a fim de enriquecer discussões acerca desse assunto.  

****

Hoje, eu trago a primeira parte desse material: o relato da experiência da Profa. Dra. Michelle Rocha-Parise, farmacêutica e professora do curso de Medicina da Universidade Federal de Jataí (UFJ). A Michelle é uma amiga que fiz na Unicamp, quando realizamos pós-doutorado em Neuroimunologia no Instituto de Biologia. Na UFJ, suas linhas de pesquisa apresentam projetos nos quais ela busca alternativas terapêuticas para doenças, especialmente aquelas de caráter autoimune, assim como o entendimento das alterações imunológicas causadas pelos agentes ambientais, ou seja, exposições ocupacionais de indivíduos que trabalham com substâncias deletérias (agrotóxicos). 

Como aconteceu com grande parte dos cientistas no mundo todo, a quarentena provocou atrasos em sua pesquisa científica e alterou sua forma de lecionar. No caso dela, o isolamento social afetou não só o ir e vir dos alunos como também afetou a coleta de amostras humanas. 

Diante da nova realidade, Michelle manteve as reuniões administrativas, orientações e aulas em diferentes plataformas digitais. Para ela, o deslocamento das aulas presenciais para o sistema de ensino remoto foi novidade, apresentou desafios e trouxe diferentes propostas de ensino. Leia a nossa conversa a seguir: 

1. Conte-nos um pouco sobre a sua formação e sobre a sua experiência como docente/professora.

Eu sou farmacêutica com habilitação em análises clínicas e pós graduação lato sensu em análises clínicas na subárea Imunologia. Sou Mestre em Imunologia, Doutora em Farmacologia, e Pós Doutora em Neuroimunologia.

Minha experiência como docente começou quando eu defendi o Mestrado e comecei a dar aula de Cosmetologia no Senac em um período que fiquei sem bolsa (financiamento para pesquisa). Já quando terminei o Doutorado, eu lecionei Farmacologia e Imunologia para uma Universidade privada. Quando eu estava no primeiro ano do Pós Doutorado eu ingressei na UFJ, onde eu leciono Farmacologia.

2. Como a pandemia da COVID-19 afetou as atividades da instituição de ensino em que você trabalha?

A pandemia afetou de uma forma bastante expressiva as atividades da Universidade onde eu atuo, principalmente no que tange à parte da graduação. 

Na parte administrativa houve uma comoção geral para nos adaptarmos com as tecnologias disponíveis para reunião remota e assim tudo foi sendo realizado de uma forma bastante satisfatória. Isso também porque a Universidade conta com um sistema eletrônico de informações, onde todas as assinaturas são eletrônicas, então essa parte não foi um problema. 

Em relação às aulas houve muita discussão principalmente referente ao acesso dos discentes à tecnologias: acesso à internet e condições de ter um computador e/ou celular. Isso para que os alunos pudessem acompanhar as atividades de maneira satisfatória. Então, baseado nessa problemática, a Universidade suspendeu as atividades.

O único curso que voltou às atividades de forma remota foi o que eu sou responsável, que é o curso de Medicina. Isso também porque fizemos um estudo e menos de 3% dos alunos não teriam como acompanhar as aulas remotas, o que foi suprido pelo curso/instituição. Esse retorno foi, muito provavelmente, possível devido à condição socioeconômica dos alunos desse curso, que têm uma posição mais privilegiada. Já os demais cursos ainda não retornaram e estão analisando os questionários para avaliar a possibilidade da volta às aulas remotamente.  

3. Você já tinha experiência com ensino remoto anteriormente?

Eu não tinha nenhuma experiência com ensino remoto, nunca havia feito nada nesse sentido. Inclusive, senti bastante dificuldade no início, o que foi sanado com a capacitação oferecida pela Universidade e a rotina do uso dos sistemas disponíveis para as reuniões. 

Já por parte dos alunos, eles mesmos se organizaram e ofereceram uma semana de capacitação para manusear as diferentes plataformas e ferramentas. 

Aqui não estamos fazendo o ensino à distância e sim o ensino remoto, onde oferecemos aulas síncronas e assíncronas, essa última é quando gravamos a aula e enviamos para o aluno previamente para que durante a aula possamos trabalhar melhor a discussão do assunto. Isso visando tentar manter a característica ativa da metodologia de ensino, utilizada pela Universidade.  

4. Quais foram as adaptações necessárias para passar do ensino presencial para o remoto?

As adaptações ocorreram na readequação do plano de ensino, sendo que as aulas práticas não passíveis de adaptação para vídeo serão ministradas no retorno das aulas presenciais. 

A bibliografia também foi revista e somente textos e livros disponíveis online foram mantidos, também incluímos alguns artigos e livros de domínio público. Tudo foi adaptado de uma forma que o aluno consiga, através do acesso à biblioteca virtual da universidade ou pela rede em geral, ter acesso ao material didático proposto. 

Já da minha parte, eu acho que tudo isso fez com que eu tornasse minhas aulas menos conteudistas e percebi agora que dá para otimizar a aula para o aluno absorver o conteúdo base. E aquilo que é adicional eu posso trabalhar com o aluno fora do horário de aula, com exercício por exemplo, tornando a hora aula mais produtiva. 

5. Como foi a reciprocidade dos alunos no início? E a assiduidade? Todos os alunos conseguiram aderir ao ensino à distância?

Em relação à adesão dos alunos como um todo foi muito bom, e vem sendo. Nosso retorno é muito recente, aconteceu dia 5 de outubro, e foi de maneira satisfatória. Eu tive alta adesão dos alunos com muitas perguntas durante a aula, mesmo ela sendo gravada. 

Bom lembrar que a instituição deu um respaldo muito bom através de uma normativa para os docentes sobre como agir em relação ao registro e disponibilização da gravação das aulas. De toda forma tem sido bem proveitoso, os alunos têm participado.

Eu controlo a frequência no início e no fim da aula, peço para que liguem câmera/microfone e tenho tido 100% de adesão. A única diferença é que tenho adaptado algumas das minhas aulas para um conteúdo mais otimizado e depois disponibilizo material complementar. Isso porque na aula virtual extensa é mais difícil manter o foco do aluno por muito tempo, tenho restringido minha aula entre 1h30 e no máximo 2 horas sem intervalo. 

Ainda devo mencionar que o WhatsApp se tornou uma boa ferramenta durante o ensino remoto, pois virou nosso melhor meio rápido de comunicação, substituindo o email, que não olhamos durante o andamento das aulas remotas. 

6. Você alterou a forma de avaliar o desenvolvimento/aquisição de conteúdo, a forma de aplicar provas e trabalhos? 

Considerando que agora os alunos conseguem ter acesso à consulta, eu deixei as atividades complementares (que complementam a nota do semestre) com um grau de dificuldade maior, fazendo com que o aluno tenha que raciocinar e não somente copiar a resposta do texto de referência. 

Também exigi que as respostas sejam manuscritas e escaneadas para carregamento na plataforma online, para que mesmo que o aluno tenha copiado as respostas ele pelo menos tenha o trabalho da cópia em próprio punho.

Em relação às avaliações oficiais (provas finais) essas serão ministradas por meio da plataforma com tempo para resposta e uma prova com questões também mais de raciocínio, que dificulta a cópia entre colegas.

7. Quais você acredita que são os maiores desafios neste sistema? 

Acho que o maior desafio desse sistema remoto é contar com a maturidade do discente, para que ele entenda que ele é o principal responsável pelo seu conhecimento. E que aquilo que se esconde hoje, por exemplo copiando o exercício ou logando na aula sem participar, será evidenciado mais adiante com o retorno das aulas presenciais e práticas. 

Assim, o aluno de alguma forma vai demonstrar se ele foi fiel ao conhecimento ou não durante esse período de aula remota.Dessa forma, eu acho que na realidade o desafio do ensino remoto é realmente conscientizar os alunos que os responsáveis pelo conhecimento são eles mesmos, e que os docentes estão ali para instruir e direcionar. 

8. Você pretende continuar com alguma atividade online após o retorno às aulas presenciais?

Sim, eu pensei em continuar com algumas atividades online talvez em um canal no YouTube ou algo similar para os conteúdos que eu não consiga contemplar em sala de aula de forma satisfatória ou assuntos adicionais que não estão presentes no plano de ensino, mas que eu ache pertinente para a formação do aluno. 

Eu acho que tem muita coisa útil no ensino remoto, as turmas virtuais por exemplo, mesmo quando as aulas voltarem eu farei mais uso visando a sistematização da informação. 

9. O que você achou dos congressos/encontros realizados online através das plataformas?

Em relação à participação em eventos, eu tenho sentido falta da proximidade que nos permite criar parcerias, que são estabelecidas primordialmente pelo contato social direto.

A apresentação de trabalho de forma remota teve redução de tempo, de uma forma que não é possível exprimir a essência do trabalho de uma maneira adequada. 

No geral, eu acredito que os eventos que aconteceram de forma remota não tiveram bons aproveitamentos. Isso porque fez com que os alunos prezassem pela quantidade de participação e não qualidade, já que é possível entrar em várias salas ao mesmo tempo. 

O que eu acho é que algumas apresentações, principalmente os posters, podem continuar de forma virtual (nos livrando dos posters impressos), mas os encontros devem voltar sim para a forma presencial assim que possível. 

10. Como você acha que essa experiência coletiva vai impactar o futuro da educação no pós-pandemia?

Eu acho que irá impactar de forma positiva desde que a gente tenha medidas de inclusão digital para a grande maioria dos alunos que têm uma vulnerabilidade socioeconômica muito grande. Mas eu acho que isso agora será uma tendência mundial: ter muitas coisas acontecendo de forma remota. Até mesmo as reuniões são mais produtivas, boa parte das questões administrativas podem continuar de forma remota. 

Mas para o ensino dar certo, as ferramentas de ensino remoto precisam ser bem empregadas: treinamento, preparo e condições mínimas para uso. Desde a educação básica até o ensino superior, tudo teria que ser muito bem analisado para verificar quais seriam as principais adequações.

Ainda, questões estruturais precisam ser revistas. Aqui mesmo na Universidade, por ser uma cidade pequena, a rede de internet Wi-Fi é ruim e dificulta o acesso dos alunos todos ao mesmo tempo. Quando voltarem às aulas presenciais, os alunos ainda utilizarão o sistema remoto e congestionarão a rede. Problemas assim precisam ser sanados.

Outra coisa que também deve ser considerada é que o docente não recebe nenhum tipo de incentivo para o trabalho remoto. Os docentes arcam com as despesas da internet, da energia elétrica, e o computador utilizado para o trabalho é o de uso particular. Então esse é um ponto a ser considerado principalmente para os professores da educação básica que têm um salário menor e precisam de mais respaldo nessa parte. Também, os docentes mais antigos e com dificuldades para lidar com a tecnologia precisam ter algum tipo de atenção e preparo diferenciados por não terem familiaridade com os recursos tecnológicos. 

****

O relato da Michelle é singular na sua atuação como docente do curso de Medicina da UFJ. Como ela cita, o ensino remoto nesse curso foi possível devido a uma posição socioeconômica favorável da maioria dos alunos; já os demais cursos de graduação ainda estão no processo de iniciar o ensino remoto. Assim, acredito que a realidade de outros Centros Universitários, públicos ou particulares, seja bastante diversa. Ainda, espero que este relato traga outras discussões entre seus pares sobre a instalação de um ensino remoto eficiente e igualitário


Carolina Francelin

Carolina é formada em Biologia e Mestre e Doutora em Imunologia pela UNICAMP, atualmente faz pós-doutorado na Universidade do Alabama em Birmingham -USA. Desde sempre tem avidez pelo testar e descobrir e uma paixão intrínseca pelo ensinar. Sonha com o dia em que todos terão os mesmos direitos de acesso.

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *