Alguns fatos sobre Aquisição de Linguagem

AnnaliseArt - PixaBay

Texto de:
Iza Rodrigues;
Larissa Santos e
Thaíse de lima
2o ano de Fonoaudiologia da Unicamp

1. As crianças nascem “cidadãs do mundo”

De certa forma, podemos dizer que as crianças nascem “cidadãs do mundo”. Ela nasce como se fosse um bloco de mármore, no qual diferentes possibilidades de comportamentos, habilidades e línguas podem se concretizar, a depender de como esse bloco for trabalhado.

Quando nasce, nenhum cultura já está inserida no comportamento da criança. Essas características vão sendo adquiridas conforme o seu desenvolvimento. O bebê também não possui nenhuma língua ao nascer, embora ainda no útero ela comece a ter noção de como é a melodia da língua das pessoas que estão à sua volta. Essa melodia irá ajudá-la a identificar, depois do nascimento, quais são os sons de sua língua.

2. Como aprendemos os sons das nossas línguas?

https://thenounproject.com/term/voice/166762/
Mon Aguilar

Já que falamos de sons, o conjunto que chamamos de “aparelho fonador” (boca, língua, cordas vocais, pulmões, dentes e toda a estrutura por onde percorre o ar) possui um conjunto de sons possíveis. Mas isso não quer dizer que usamos todos esses sons. Cada língua do mundo usa apenas uma pequena parte desses sons. Esse post do blog The Language Nerds informa o número de consoantes e vogais em várias línguas. Repare que a contagem é por número de sons, não pelo número de letras, considerando que, no Português, temos letras que podem representar vários sons diferentes (ex. a letra E pode representar o E aberto e o E fechado, por exemplo) e sons que podem ser representados por letras diferentes (O som de Z em “exílio” por exemplo).

Português
Vogais: 14
Consoantes: 23

Espanhol
Vogais: 5
Consoantes: 20

thelanguagenerds.com

Sabendo que cada língua tem seu conjunto diferente de sons, é de se esperar que as crianças tenham a capacidade de perceber qualquer som de qualquer língua possível. Mas por volta dos 6 meses ela deixa de perceber sons que não são usados pelas pessoas à sua volta. Por volta de 1 ano, ela já deixa de perceber diferenças de sons que não fazem parte de sua língua. Isso quer dizer que conforme a criança é exposta à língua das pessoas que cuidam dela, essa aprende os sons dessas línguas enquanto “desaprendem” os sons de outras línguas que ela não conhece.

3. Crianças podem ser bilingues nativas

Em crianças monolíngues, a língua materna é compreendida através da ativação de várias regiões cerebrais responsáveis pela linguagem e demais capacidades como memória e atenção. Assim, o som que chega pela orelha é compreendido em regiões cerebrais diferentes a fim de que possamos responder às informações que recebemos.

Durante o período de aquisição da língua materna, se a criança receber a mesma quantidade de estímulos de duas línguas diferentes, irá compreender essas duas línguas da mesma forma que uma criança monolíngue, sendo considerada nativa nas duas línguas. Mas uma pessoa que aprende uma segunda língua após o seu período de aquisição terá sistemas linguísticos separados, sendo compreendidas em locais diferentes e geralmente apresentará sotaque.

Mas por que seria interessante a criança ser bilíngue nativa?
  • A exposição precoce a uma segunda língua torna a criança mais apta à multitarefas, uma vez que ela será estimulada a alternar, de maneira eficiente, entre uma língua e outra.
  • Ao longo do tempo, a tarefa de aprender uma segunda língua se torna mais difícil. Assim, quanto antes a criança for exposta a uma segunda língua, mais proficiente ela vai ser, tanto na pronúncia (que depende também do desenvolvimento do controle dos movimentos da boca), quanto na fluência gramatical.
  • A exposição bilíngue precoce é ideal para o desenvolvimento e domínio do bilinguismo.

Para que o bilinguismo nativo aconteça efetivamente, é preciso que as duas línguas sejam bastante estimuladas e na mesma quantidade, uma vez que são nessas condições que a criança realmente vai ter uma exposição suficiente para que ela seja realmente bilíngue.

4. Quais são os marcos de aquisição de linguagem?

Mas aí vocês perguntam, o que são marcos de aquisição? Os marcos de aquisição são os estágios e o que espera-se que uma criança nesse estágio reproduza, ela irá passar por essas etapas enquanto adquire sua língua materna até chegar a aquisição completa.

Primeiros meses

❖ As crianças choram e emitem os primeiros sons;
❖ São capazes de distinguir línguas de grupos rítmicos diferentes.

Aos 6 meses

❖ As crianças balbuciam várias sílabas diferentes e repetidas:
→ Curiosidade sobre esse estágio: Crianças surdas também balbuciam nessa fase, mostrando que o balbucio não tem forte relação com estímulos externos.

Aos 10 meses

❖ O balbucio infantil se restringe aos sons que ouvem;
→ As crianças começam a emparelhar som e significado, ou seja, nessa fase o balbucio tem influência dos estímulos externos.

Com 1 ano

❖ Começa a diminuir capacidade das crianças de discriminar sons de Iinguas diferentes de sua língua materna;
❖ Nesse estágio começa a produzir as primeiras palavras, que nomeiam os ​objetos ao seu redor. Nessa etapa as crianças só enunciam uma palavra e que valem por frases;
❖ Nessa fase pode usar gestos para se comunicar, como erguer os braços para dizer que quer colo.

Com 1 ano e 6 meses

❖ Começam a produzir duas palavras isoladas e com uma pausa entre elas; ❖ Conseguem reconhecer a ordem das palavras da sua língua materna.

Entre 2 anos e 3 anos

❖ ​O vocabulário passa de 400 para 900 palavras;
❖ A criança produz sentenças simples com mais de duas palavras;
❖ Nesse estágio a criança começa cometer alguns erros como falar ‘eu sabo’, com isso sabemos que ela tem uma noção de como fazer conjugação no passado, mas ainda não sabe que existem palavras irregulares e que não é conjugada da mesma forma que outras.

Aos 3 anos

❖ Nessa etapa o vocabulário jé é composto por 1200 palavras;
❖ As frases produzidas já possuem preposições, artigos e outras palavras
gramaticais;

Entre 4 e 5 anos

❖ O vocabulário da criança é composto por 1900 palavras;
❖ Já fazem uso de oração subordinada;
❖ Por volta dos 5 anos as crianças já adquiriram grande parte das estruturas da sua língua materna.

(GROLLA; FIGUEIREDO, 2013)

É importante lembrar que cada criança possui seu tempo. Por vezes ela pode produzir coisas esperadas em algum estágio a frente do que a criança realmente está e outras crianças podem produzir um pouco depois. Mas é importante sempre ficar atento e quando possuir um atraso significante. Por exemplo uma criança de 2 anos não falar pelo menos 200 palavras, deve-se procurar um fonoaudiólogo para fazer uma avaliação.

Saiba Mais:

Multilinguismo: sobre aquisição e aprendizagem de línguas – #Linguística

GROLLA, E. & FIGUEIREDO SILVA, M. C. (2014). Seção “Os Estágios de Aquisição”. In . Para conhecer Aquisição da Linguagem. SP: Contexto, pgs.64-69. (17p) KAIL, M. (2013). Capítulo 1 – Dos sons às palavras. In . Aquisição de Linguagem. São Paulo: Parábola Editorial. (21p)

KUHL, P. K. (2004). Early language acquisition: cracking the speech code. Nature reviews neuroscience, 5(11), 831-843.

PRICE, C. J. (2000). The anatomy of language: contributions from functional neuroimaging. Journal of anatomy, 197(3), 335-359.

MINAI, Utako, GUSTAFSON, Kathleen; FIORENTINO, Robert; JONGMAN, Allard; SERENO, Joan (2017). Fetal rhythm-based language discrimination: a biomagnetometry study, NeuroReport. 28(10):561–564.

Sobre Thiago Oliveira da Motta Sampaio 10 Artigos
Professor de Psicolinguística e Processos Cognitivos na UNICAMP; Divulgador da Ciência, Scicaster e "Spiner" (Spin de Notícias) no Portal Deviante (www.deviante.com.br); e Embaixador da Olimpíada Brasileira de Linguística (www.obling.org).

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*