Perguntas sem respostas

Meu pai trabalha em uma plataforma de exploração de petróleo, dessas bem antigas, construídas numa época que ninguém falava de meio ambiente, reciclagem ou ainda sustentabilidade. Mas é claro que para mostrar para o mundo que a empresa é responsável eles foram atrás de 1001 certificações SMS, ISO e blábláblá. E segundo meu pai é blábláblá mesmo para inglês ver. No dia da auditoria eles arrumam a casa, deixam tudo limpo, organizado e no dia seguinte voltam ao normal sem nada das regras impostas por essas certificações. Mas sabe por que? Não é que eles não estão preocupados com o assunto ou acham tudo isso bobagem, é que simplesmente a plataforma não está preparada para as exigências dessas normas.

Imagina a sua casa hoje e de repente alguém na sua família precisa usar cadeira de rodas, sua casa está preparada para receber uma pessoa morando nessas condições? Na minha casa eu tenho certeza que uma cadeira de rodas não passa na porta do meu quarto, que dirá no banheiro pra tomar banho!! Nesse caso fazemos algumas adaptações ou mudamos de casa, caso as adaptações sejam muito complicadas e isso seja possível.

E numa plataforma? A gente joga fora e compra outra? Não, eles tentam fazer adaptações, mas imagina uma construção no meio do mar que pode abrigar 50 pessoas e de repente por causa de diversas exigências tem que abrigar 60 pessoas, como fazer? Faz um “puxadinho”? E as normas de segurança e legislações? Qual é prioridade?

Instalar uma máquina de tratamento de água num espaço restrito e cheio de poréns por motivos de segurança é complicado…

Um exemplo que eu tenho é o prédio onde eu moro. Já disse aqui que não temos água individualizada, fizeram um estudo para verificar essa possibilidade, descobriram que deveriam ser quebrado todos os apartamentos. O prédio vai fazer 3 anos, quem estaria disposto a tal incômodo? O projeto do prédio foi burro? Com toda certeza. Eu deveria ter comprado outro apartamento? Talvez, mas esse nunca vai ser o único motivo para decisão de compra de uma pessoa. Por exemplo, nesse prédio eu não preciso de carro para ir na padaria, no supermercado, no barzinho descolado da cidade, ir ao shopping, posso escolher ir a pé em 2 parques da cidade, meu irmão vai a pé para a escola e na casa da maioria dos amigos. Posso comparar os litros de combustíveis que deixei de queimar com o suposto disperdício da água que meu prédio tem? Duvido que um dia alguém possa me responder isso.

É errado as empresas “fingirem” que são corretas? Acho que sim. Ou seriam as certificações que deveriam ser mais realistas para construções antigas? Ou essas certificações só servem pra isso mesmo, as empresas fingirem que estão cumprindo? Ou deveriam existir certificações mais específicas? Como por exemplo “Certificação Ambiental de Plataformas de Exploração de Petróleo Construídas até 19XX”.

Na verdade o que rola é um círculo vicioso, as empresas são pressionadas pelos acionistas, sociedade, governo para obter certificações e cumprir normas para não perder valor, ou elas obtém essas certificações ou se comprometem e perdem mercado e para conseguir essas certificações elas tentam se adaptar e na maioria das vezes isso vira um fingimento para o auditor ver… E todos saem teoricamente felizes, achando que tal certificação sempre tem algum valor. Resumindo: o mercado manda!!

Se alguém tiver resposta para algumas das minhas perguntas, por favor, me ajude!

One comment

  • Anonymous
    7 de abril de 2008 - 07:09 | Permalink

    Você mesma respondeu: “O mercado manda”. É isso aí. O mundo gira em torno de somente uma coisa: lucro. O resto que se dane, inclusive o nosso bem maior, o ambiente de vida. E nisso, vão pelo esgoto também os sonhos e ideais de pessoas ingênuas como você. Você não está enxergando a realidade da realidade. Só isso.

  • Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Skip to content