Blogagem Coletiva – Consumo Consciente (1/2)

Lembro que uma vez tratei desse assunto aqui e tem tudo a ver com esse documentário que reproduzo abaixo.

É triste ver esse documentário, não? E não dá pra simplesmente colocar a culpa no mercado publicitário e nas multinacionais pois a culpa é sim também dos pais. Se as crianças brasileiras são as que mais assistem TV no mundo a culpa é de quem? Quem leva crianças para passeios no shopping? E se meninas de 3 anos vão para escola de batom, quem foi que comprou batom para elas? A mídia, as empresas, o mercado publicitário é mau? Sim, o objetivo deles é bem claro, vender a todo e qualquer custo, mas as pessoas compram porque querem, porque se deixam seduzir. Lembramos, crianças aprendem porque veem modelos!
O problema de consumo das crianças é bem mais profundo que apenas regular a propaganda direcionada para elas, o problema está na nossa sociedade e no tipo de pais que as pessoas são.
Convenhamos, pais que fazem festa de aniversario para as filhas em salão de beleza e culpam a mídia por causa disso merecem um tratamento psicológico. Lamento, se você tem problemas de dizer não para seu filho não venha colocar a culpa no resto do mundo, se você se sente culpado porque trabalha de mais e não pode ficar com seus filhos, você deveria ter pensando melhor antes de tê-los e não sair comprando tudo que ele pede pra suprir a sua culpa e a carência dele.
Sejamos realistas a regulação pura e simples não resolve o problema, a ética do capitalismo não será cumprida por decreto. Se regulação resolvesse, uma empresa como a Enron não teria quebrado pelo motivo que quebrou, nem políticos roubariam dinheiro público para beneficio próprio.
O vídeo eu vi no Blog da Miriam Salles.
__________________________________________________________________________________
Esse post faz parte da Blogagem Coletiva – Consumo Consciente do Blog A vida como a vida quer.

6 Comments

  • 16 de dezembro de 2008 - 18:40 | Permalink

    Oi Cláudia,
    Acho que a regulação simples não resolve o problema, mas com certeza absoluta não pode ser considerada como um fator sem importância.
    A televisão é o principal meio de comunicação do pais, onde as pessoas procuram informação e entretenimento. Grande parte dos brasileiros não tem acesso a outro tipo de informação. Um veículo desta importância para o Brasil deve sim ser regulado para evitar abusos.
    Concordo plenamente que podemos tentar dar uma educação mais forte para nossos filhos, mas tenho certeza que as pessoas “não se deixam seduzir”. A publicidade investe bilhões em pesquisa para conseguir manter suas marcas mais tempo na cabeça das pessoas, até por meios bem antiéticos. Desta forma não pode ser considerada “boazinha”.
    Uma coisa que eu penso sempre é se eles investem tanto dinheiro em publicidade, tenha certeza que ela dá um retorno. E muito grande.

  • 16 de dezembro de 2008 - 19:31 | Permalink

    Luiz Bento, sem dúvida publicidade funciona, tem até curso universitario disso!! 🙂
    A regulaçao deve existir sim, principalmente num país como o nosso q é tao carente de educacao!

  • 16 de dezembro de 2008 - 21:03 | Permalink

  • 17 de dezembro de 2008 - 06:27 | Permalink

    Concordo plenamente com você.
    Nós temos a mania de culpar terceiros, quando na maioria das vezes a culpa é nossa mesmo.
    Temos que educar nossos filhos pra que eles tenham consciência e nada melhor do que educar dando o exemplo.
    Parabéns…adorei seu post.

  • 17 de dezembro de 2008 - 13:06 | Permalink

    Infelizmente há algum tempo os pais estão conferindo a terceiros , a tv e a escola , o papel de educar seus filhos. E não devem lamentar o resultado. Meu filho é ainda muito pequeno e na tv vê somente seus dvds educativos. Creio ser possivel limitar o acesso dele á tv com o passar dos anos, sim. Mas não é só isso. Educar é fazer parte do mundo da criança e fazê-la compreender os valores humanos e sua escala .
    abraço e obrigada por me permitir ter acesso a este video

  • 11 de janeiro de 2009 - 17:18 | Permalink

  • Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Skip to content