Chuva de ferro que cai sem parar

Restos da supernova SN 1006 expandindo-se pelo espaço afora. Há dois milhões de anos, o sistema solar passou por uma bolha parecida. [imagem: APOD/NASA]

É aquela velha história, repetida vez após vez em todos os recantos da galáxia: quando uma estrela com mais de 10 massas solares esgota seu combustível, ela explode num clarão visível a anos-luz de distância. Os escombros químicos da supernova espalham-se por uma área imensa e, a longo prazo, podem dar origem a uma nova geração de estrelas e planetas. Vez por outra, porém, essa nuvem de poeira estelar pode ser atravessada por um sistema solar como o nosso e deixar rastros entre seus habitantes mais modestos: as bactérias. (mais…)