O admirável mosquito das neves

500px-belgica

“Belgica antarctica” em estado larval (esq.) e adulto (dir.): pequeno mosquito sem asas tem DNA compacto. [imagem: Denlinger Lab/Ohio State University]

Eles são pequenos, de cor escura, não voam e passam a maior parte da vida enterrados no gelo da Antártica. Parece a descrição perfeita para um pinguim, mas estamos falando dos mosquitos antárticos. Sim, há insetos no Pólo Sul. E uma nova pesquisa revela que um desses mosquitos tem o menor genoma de todos os insetos. Será esse o segredo para sobreviver em condições tão extremas? Estaria escondida nesse bichinho a solução para facilitar o armazenamento de órgãos doados por longos períodos? (mais…)

Ciência com o próprio fígado

Não faltam experimentos de um único voluntário na História da Ciência. Nem experimentos em que a linha entre pesquisador e pesquisado é bem tênue. Também não são poucos os créditos mal-atribuídos pela participação em uma pesquisa. Um caso com todas essas características aconteceu em 1954, na Universidade de Londres. Ao Leia mais…

Patentes Patéticas (nº. 121)

http://www.google.com/patents?id=cB00AAAAEBAJ&printsec=abstract&zoom=4&dq=4608967

Você é um executivo milionário #foreveralone, ou melhor, incompreendido, que fala sozinho e que não tem apoio de ninguém? Não: você é aquele cara que adora tirar sarro de si mesmo nas festas? Ou você é aquele chefe que se diverte dando estimulantes presentes de auto-ajuda pros seus funcionários? Seja lá quem você for: para Ralph Piro, você merece um tapinha nas costas. De si para si.

Não precisa se contorcer. Basta montar e usar seu Pat on the back apparatus [Aparato tapinha nas costas]: (mais…)

Condicionamento celular: Pavlov ataca novamente!

Quando ocorre alguma rebelião, é comum que dezenas de rebeldes sem causa sejam levados à prisão, com o objetivo de serem socialmente reeducados. Isso, claro, nem sempre funciona para populações humanas. Mas o que fazer quando há uma rebelião celular? Não dá pra prender células desordeiras (nem descer o cacete nelas), mas ainda é possível reeducá-las. Essa é a descoberta de um grupo de cientistas da Escola Politécnica Federal de Lausanne (EPFL), na Suíça. (mais…)