Um corpo galvanizado

As aparências produzidas pelo efeito do galvanismo sobre o corpo humano são da mais assustadora natureza e despertam terríveis fantasias na mente do espectador: os olhos giram descontroladamente, a expressão facial é distorcida por sorrisos grotescos enquanto os membros movem-se forçosa e convulsivamente. O mais bem-sucedido esforço de ressuscitação por Leia mais…

Andrew Crosse e seus insetos elétricos II

Andrew Crosse

Andrew Crosse (1784-1855): gentleman, poeta e Frankenstein acidental.

Tudo começou em 1836, quando Andrew Crosse foi persuadido por um amigo a participar de um encontro da British Association for the Advancement of Science [Associação Britânica para o Progresso da Ciência], em Bristol. Informalmente, Crosse descreveu algumas de suas descobertas durante um jantar em Bristol, onde foi estimulado a fazer apresentações mais formais (e práticas) de suas eletrocristalizações para as seções de química e de geologia da Associação. (mais…)

“Éter orgânico”

“Mesmer”, diz [Wilhelm Gottlieb] Tennemann em seu Manual of the History of Philosophy [Manual da História da Filosofia, publicado em alemão em 1812 e em inglês em 1832], “descobriu, ou antes redescobriu, a existência de uma nova força — uma potência universalmente difusa, similar à atração e à eletricidade, permeando Leia mais…