Por que dragões? – O papel da curiosidade no aprendizado

Na imagem é possível ver um dragão verde com expressão de dúvida e várias interrogações ao seu redor. No fundo, uma paisagem de floresta com neblina.

Você já reparou que aquela matéria maneira na escola era justamente a que você tinha mais facilidade para aprender?

Já pensou que isso pode ter a ver com a sua curiosidade sobre os temas estudados?

Embarque com a gente nas asas do dragão para descobrir o porquê!

Por que dragões? – O papel da curiosidade no aprendizado.

Por que dragões?

Os dragões são seres presentes no imaginário popular das mais diversas culturas. Os primeiros registros dessas criaturas datam de 40 mil anos a.C., em pinturas rupestres na Austrália.

Em cada sociedade, a figura do dragão ganhou características específicas, de forma que alguns mitos os descrevem como grandes serpentes e outros como lagartos gigantes e voadores. Não somente a forma física varia entre as culturas, mas também o simbolismo e a personalidade. De forma geral, nos mitos orientais o dragão é representado como uma criatura bondosa que simboliza boa sorte, enquanto no ocidente essa criatura é vista como um ser maldoso voador e noturno que destrói aldeias.

A imagem mostra diferentes representações de dragões da ficção.
A diversidade de representações de dragões em cada cultura é refletida na forma que a ficção representa essas criaturas: Na imagem, vemos os dragões Fúria da noite e Dente de Anzol de “Com treinar seu dragão”, Dragonite e Salamence de “Pokemon”, Mushu do filme “Mulan”, Shen Long de “Dragon Ball Z” e Falcor de “História Sem Fim”.

O passar do tempo só fez com que os dragões atraíssem cada vez mais a curiosidade das pessoas, originando as mais diversas fantasias e consequentemente, contribuindo para o surgimento de perguntas…

Seria possível imaginar como seria um mundo onde os dragões realmente existissem?

Será que lagartos gigantes seriam capazes de voar?

Seria mesmo possível cuspirem fogo?

A resposta dessas perguntas pode envolver conceitos específicos de Biologia, que não são do conhecimento do público não-especializado. Isso pode dificultar a compreensão do assunto, e deste modo somente seriam geradas mais dúvidas. Sendo assim, será que instigar a curiosidade sobre esses seres mitológicos pode ajudar a ensinar tais conceitos?

Como a curiosidade atua no cérebro?

Um estudo feito na Universidade da Califórnia comprovou que é mais fácil aprender quando o assunto está relacionado com coisas que nos interessam do que quando somos simplesmente expostos ao conteúdo.

Isso ocorre porque a curiosidade deixa o cérebro em um estado mais receptivo para aprender e lembrar de novas informações, já que aumenta a atividade da região do cérebro responsável pela memória (o hipocampo). Esse estado de receptividade não se restringe somente à questão que despertou a curiosidade, mas também às informações que vêm juntamente à resposta.

Além disso, o estudo demonstrou que a curiosidade também ativa um circuito cerebral relacionado com a sensação de recompensa, ou seja, torna o aprendizado mais prazeroso.

Resumindo, a curiosidade não somente torna o aprendizado mais fácil, como também mais prazeroso.

Na imagem, vemos o desenho de um cérebro colorido por diferentes corem em aquarela.
A curiosidade estimula regiões do cérebro e circuitos responsáveis pela memória e sensação de recompensa.

Como aguçar a curiosidade?

Uma vez cientes da importância de despertar a curiosidade para o aprendizado, fica a questão: como instigar a curiosidade?

Para o pesquisador George Loewenstein, da Universidade Carnegie Mellon, uma das maneiras mais fáceis de gerar curiosidade é iniciando o processo de aprendizagem a partir de uma pergunta, não de sua resposta (veja uma oportunidade de praticar esse método aqui). Essa pergunta deve partir de algo que o público conheça, de forma que seja gerada uma lacuna no conhecimento prévio. A falta de uma informação gerará um sentimento de privação, de que algo não está completo e a curiosidade surgirá em busca de uma explicação para aquilo que está faltando.

“O Vale dos Dragões”: usando a curiosidade para ensinar Biologia

É partindo desse princípio que o projeto “O Vale dos Dragões”, parceria de alunos e professores da Universidade Estadual de Campinas, inicia sua jornada convidando o público a refletir sobre como seria o mundo se os dragões fossem reais:

Como será que esses dragões se desenvolveriam?

Que impacto causariam no mundo?

Em que ambiente viveriam?

Essas e outras perguntas irão gerar uma lacuna no conhecimento do público, que conhece a figura do dragão, mas talvez não saiba a resposta para essas questões. Assim, gerando o interesse pelo tema, terá início o processo de ensino de conceitos de Biologia do Desenvolvimento e áreas afins, incluindo Genética e Ética.

A imagem mostra diferentes dragões situados em um vale. No fundo, há montanhas. No meio da imagem, lê-se "O Vale Dos Dragões".
O projeto “O Vale dos Dragões” usa da curiosidade pelos dragões para ensinar conceitos de Biologia.

Ficou curioso? Inscreva sua turma de Ensino Fundamental II para participar do projeto aqui.

Referências

https://www.blogs.unicamp.br/nasasasdodragao/2016/11/23/vamos-fazer-perguntas/

https://www.cell.com/neuron/fulltext/S0896-6273(14)00804-6

https://www.edutopia.org/blog/why-curiosity-enhances-learning-marianne-stenger

http://petitandy.com/2015/06/dragoes-origem-do-mito/

https://www.kqed.org/mindshift/32503/how-the-power-of-interest-drives-learning

Share

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*