#3 A baleia é mais segura que um grande navio

Para dar o tom: “Mestre Jonas”, de Sá, Rodrix e Guarabyra

 

Montanhas, árvores, casas, postes de iluminação passavam em perspectiva pela janela do automóvel. Tudo tingido de dourado reluzente do aeroporto até Rehovot. O brilho era tão intenso que a posição do sol era difusa e probabilística. 

O pôr-do-sol é mágico em Israel. Até o tempo para para contemplar. Nesse estado de transe, foi difícil perceber que entravámos no centro de Rehovot e adentravámos o portão principal do Instituto Weizmann de Ciências. Dali, o carro foi escoltado por seguranças em motocicletas até a Residência Ruthie & Samy Cohn. Uma entrada pomposa para quem assistiu da calçada, quase como um desfile.

Eu e as malas fomos colocadas para dentro do prédio com uma única indicação: “Vá para o quarto!”. Com a eficiência e a precisão robótica de um sabujo mecânico (Fahrenheit 451, Ray Bradbury), encontro o quarto n. 103, agarrando a maçaneta delicadamente e projetando a probóscide (a chave) na fechadura.

Uma vez fechada, a porta só seria aberta 14 dias depois. 

Com o sol já na linha do horizonte e passado o transe, não sei bem onde estou no tempo e no espaço. Meu mundo tem 16 metros quadrados e uma pequena sacada com vista para um elevado feito de pedras hexagonais cor areia, que esconde uma praça, prédios altos e uma estação de trem. 

Acompanho o ir e vir de alguns poucos pedestres logo cedo e no entardecer. Raramente vejo um carro. Os trens são frequentes. Às vezes o barulho é ensurdecedor, quando helicópteros militares sobrevoam a área. Muito ao longe, escuta-se barulho de trânsito e buzina. Há luzes que piscam como vagalumes.

A natureza também é visita frequente. Os pássaros fazem das árvores dormitório e são muitos. Há também pequenos lagartos que escalam o paredão e se escondem entre as pedras. Além de minúsculas e inteligentes baratinhas que encontrei duas noites seguidas no banheiro.

A primeira semana foi marcada por uma dor de cabeça à britadeira. O serviço começava no meio da tarde com vibrações intensas e pontiagudas no topo da cabeça, que desciam ressoando por cada membro. O corpo autômato deixava-se cair aos pedaços sobre a cama. O sono era interrompido para comer, quando o corpo criava nova forma para, então, voltar para a cama em uma versão mais leve. 

Os raios de sol temem o interior do cubículo. Os dias passam entre três quinas – cozinha, escritório e quarto – cada uma separada por oito peças de piso cerâmico antigo. A sacada é o lazer e respiro entre uma tarefa e outra ou o refúgio quando me sinto entediada. 

O ciclo circadiano adaptou-se ao claro e escuro, e entrei na segunda semana mais consciente do entorno. Cada detalhe e objeto do apartamento me interessam. Na cozinha, impressiona a qualidade das matérias-primas, e misturo ingredientes e temperos em criações culinárias duvidosas, apesar de nutritivas.

Pega na tempestade da Covid-19, como Jonas, resta-me apenas contar os dias.

Camila Cunha, jornalista científica e bolsista “Paulo Pinheiro de Andrade” no Instituto Weizmann de Ciências, escreve sobre vivências pessoais e experiências científicas em Israel.

  1. Camila que esta jornada seja cheia de sabores, cores, sotaques e experiências enriquecedoras da alma e do corpo.

Leia mais

Crédito imagens: Markus Spiske no Pexels
Revisão de texto: Natália Flores


Texto publicado originalmente em 18 de novembro de 2020

Skip to content