A brasileira que está trazendo avanços no tratamento de inflamações articulares

Representação artística da articulação temporomandibular (ATM), Imagem: Flickr

Um grande interesse das áreas médica e farmacológica consiste na descoberta de novos remédios, mas não só isso. Muito se busca também uma forma de otimizar a maneira com que estes vão ser distribuídos pelo corpo, cumprindo seu efeito de forma eficiente e com o mínimo de efeitos colaterais. Esta é uma das áreas de pesquisa que a Profa. Dra. Eneida de Paula da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) tem se dedicado ao longo de sua carreira e os estudos conduzidos por ela podem trazer inovações promissoras no tratamento de processos inflamatórios.

A inflamação, ou processo inflamatório, é o mecanismo pelo qual o nosso corpo elimina um agente infeccioso e/ou repara um dano tecidual. A resposta inflamatória é desencadeada para que ocorra a eliminação do agente agressor, e é caracterizada por inchaço, vermelhidão, aquecimento e dor; podendo acabar em regeneração tecidual ou perda de função. O primeiro ciclo das fases do processo inflamatório caracteriza a fase aguda da inflamação, de forma que ao ocorrer repetidamente, torna-se crônica.

A Profa. Dra. Eneida de Paula em foto não datada (esquerda) e em seu laboratório no Depto. de Bioquímica e Biologia tecidual da Unicamp, em 2007 (direita). Imagens: scientificfederation.com/pharmaceutics-2019/speakers.php / Jornal da Unicamp edição 362

Apesar de ser um mecanismo natural do corpo, a inflamação pode ser prejudicial caso ocorra de forma exacerbada, estando relacionada a diversas doenças. Um dos casos mais comuns envolve a articulação temporomandibular (ATM), o ponto de junção da mandíbula com o crânio. Por ser uma das articulações mais utilizadas, envolvida na fala e mastigação, há uma alta propensão à ocorrência de traumas e consequente inflamação desta articulação, causando dor ou até mesmo “travamento” ao abrir ou fechar a boca.

Em trabalho publicado em julho deste ano na revista científica “Scientific reports”, o grupo de pesquisa liderado pela Profa. Eneida reporta um método mais eficiente no tratamento de inflamações da ATM. Foi desenvolvido um sistema de nanopartículas lipídicas que quando injetadas no local afetado são capazes de liberar medicamento de forma controlada, aumentando o tempo de duração do tratamento e minimizando efeitos colaterais.

O medicamento utilizado no estudo foi o Naproxeno. Trata-se de um anti-inflamatório pertencente a uma classe variada de fármacos denominada não esteróide, que inclui no mesmo grupo o Ibuprofeno e até mesmo a Aspirina. Apesar de amplamente utilizados no tratamento de doenças ou distúrbios inflamatórios, os efeitos destes medicamentos geralmente são de curta duração, de 1 a 2 dias. Pelo novo sistema de liberação controlada por nanopartículas, é possível observar redução dos sintomas da inflamação por até 10 dias.

Esquema representativo do local afetado e sintomas da inflamação da ATM. Imagem: DMT BUMG https://www.dtmbangu.com.br/sobre-a-dtm/

Os estudos foram conduzidos em ratos, em uma fase pré-clínica, mas há potencial para que prossiga para testes clínicos e posteriormente disponibilizado para uso. Há também chance de ser bem sucedido no tratamento de outras inflamações articulares além da ATM.

A Profa. Dra. Eneida de Paula tem formação em enfermagem pela Unicamp, Mestrado e Doutorado em bioquímica pela Unicamp e Universidade de São Paulo (USP), respectivamente, pós-doutorado pela Universidade de Parma, Itália, e é livre-docente e professora titular pela Unicamp, no Departamento de Bioquímica e Biologia tecidual. Além de ser uma profissional inspiradora, trabalhos como o desenvolvido por ela mostram o potencial da ciência brasileira em gerar pesquisa e inovação de qualidade e a necessidade de que esta seja devidamente reconhecida e incentivada.

Deixo aqui o link para ótima matéria realizada pela Agência FAPESP, fonte financiadora do projeto, com participação da Profa. Eneida, onde há mais detalhes sobre a inovação:

http://agencia.fapesp.br/anti-inflamatorio-em-formulacao-injetavel-atua-por-ate-10-dias-em-articulacoes/31688/

O trabalho completo, intitulado “Improved efficacy of naproxen-loaded NLC for temporomandibular joint administration” pode ser encontrado aqui: https://www.nature.com/articles/s41598-019-47486-w

Demais referências:

  1. Inflamação aguda: https://w2.fop.unicamp.br/ddo/patologia/downloads/db301_un4_InflamAguda.pdf
  2. Inflamação crônica: https://w2.fop.unicamp.br/ddo/patologia/downloads/db301_un4_InflamCronica.pdf
  3. Articulação temporomandibular (ATM): https://drauziovarella.uol.com.br/drauzio/artigos/a-articulacao-da-mandibula-artigo/
  4. Anti-inflamatórios não-esteroides: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0066-782X2010000400019

Graduada em Ciências Biológicas pela Unicamp em 2014 e Mestra em Biologia Celular e Estrutural pela mesma universidade. Com o sonho de criança em ser Bióloga realizado, almeja na vida adulta ver a ciência (e o mundo) cada vez mais pelos olhos delas.

Sobre Giovana Maria Breda Veronezi 6 Artigos
Graduada em Ciências Biológicas pela Unicamp em 2014 e Mestra em Biologia Celular e Estrutural pela mesma universidade. Com o sonho de criança em ser Bióloga realizado, almeja na vida adulta ver a ciência (e o mundo) cada vez mais pelos olhos delas.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*