Arte feia (V. 3, N. 11, 2017)

No último post falamos dos recentes ataques sofridos por artistas contemporâneos brasileiros, que tiveram sua expressão cerceada. De lá para cá, a polêmica sobre a liberdade do artista – e da arte – cresceu, atingindo importantes instituições, como o Museu de Arte Moderna de São Paulo.

Os comentários dos que defendem essas ações incluem a ideia de que os artistas não fazem arte. Alguns afirmam também que a verdadeira arte se perdeu em algum momento do passado, em que as obras eram realmente bonitas. Para eles, o que se faz hoje é feio e, portanto, não pode ser considerado artístico.

Em outras palavras, tem-se a impressão de que a arte do passado era bonita, e que a do presente é feia. Mas será que isso é verdadeiro?

Primeiro de tudo…

Beleza e feiura não são conceitos estáticos, eles mudam conforme o momento histórico e a sociedade em que se desenvolvem. Cada cultura tem o seu belo e o seu feio. Eles não são idênticos aos de outras culturas e inclusive podem variar numa mesma sociedade, com o passar do tempo.

Isso significa que algo hoje considerado feio, pode ser bonito no futuro, e inclusive artístico.

Uma falsa impressão

Arte não é sinônimo de beleza. Ela sempre se relacionou com o feio de alguma forma, em todos os momentos históricos.

No senso comum, predomina a ideia de que, para algo ser artístico, deve retratar, de maneira bela, o que é naturalmente belo. Por exemplo, uma paisagem natural, o retrato de uma criança, etc.

Assim, só seria artístico algo tido como bonito no sentido da contemplação, isto é, aquilo que é “bom de olhar”, porque desperta em nós sentimentos pacíficos, como calma e bem-estar.

Mas o fato é que o feio sempre esteve presente nas obras artísticas, como na pintura que segue.

Peter Paul Rubens, Cabeça de Medusa, c. 1617.

Nesse caso, podemos dizer que Rubens , importante pintor do período conhecido como Barroco, pintou algo feio (no sentido de não ser bom de olhar) de uma forma bonita. Essa forma bonita era aquela tida como “a correta” em sua época e, portanto, aceita por todos.

O feio, aqui, existe para referir-se a uma conhecida história: o mito da Medusa.

Modernismos…

Mas a arte não precisa apenas retratar o feio de forma bonita. Ela pode fazer isso “de forma feia”. É o que começa a acontecer, de maneira muito intensa, no período histórico conhecido como Modernismo.

Não é à toa que as pessoas, em geral, associam a arte moderna à feiura. É que, nesse momento histórico, artistas começaram a se voltar contra a maneira de fazer arte tida como correta.

Isso ocorreu porque as sociedades ocidentais mudaram muito profundamente, num curto período de tempo. E as formas de fazer arte que se desenvolveram até então não interessavam mais aos artistas.

Numa sociedade urbana, industrializada, marcada pela velocidade do trem e dos automóveis, e que em breve se veria diante de duas grandes guerras mundiais, não era mais possível ter uma atitude contemplativa e idealizada.

Eles queriam tratar desse novo mundo de uma maneira inteiramente nova e que correspondesse ao que era vivido. Para isso, subverteram as artes tradicionais e passaram a incorporar novos materiais artísticos ao seu fazer.

Pablo Picasso, A musa, 1935.
Para falar da sociedade em que viviam, artistas modernos subverteram a maneira tradicional de fazer arte.

Em resumo, artistas modernos e contemporâneos não desejavam mais representar o mundo de maneira idealizada. Eles queriam falar sobre uma sociedade marcada pelo caos e pela ruína, usando a matéria oferecida por essa mesma sociedade.

É isso o que faz César, na série de trabalhos intitulada Car compression. Ele se apropria de carcaças de carros descartadas para fazer esculturas.

Ao utilizar o lixo da sociedade de seu tempo, César constrói um monumento a ela. Propõe ao espectador não a contemplação, mas a reflexão crítica: o choque de ver, no lugar do belo, algo feio, mas que traduz o modo de viver contemporâneo, marcado pelo excesso de consumo e, consequentemente, de lixo.

Essa talvez seja a principal chave para compreender a arte de hoje: ela não é feita para a pura contemplação, mas para fazer sentir o nosso mundo e pensar sobre ele.

 

Referências:

ECO, Umberto. História da beleza. Rio de Janeiro: Record, 2004.

ECO, Umberto. História da feiura. Rio de Janeiro: Record, 2007.

Uma resposta para “Arte feia (V. 3, N. 11, 2017)”

  1. Não importa se é feio ou bonito; tem que agradar. Agradar do ponto de vista da aceitação. Claro que essa aceitação não é e nem precisa ser unânime. Tem que ter diálogo, discussão. Existem trabalhos artísticos que levam tempo para serem compreendidos e aceitos; outros caem no esquecimento. Nem tudo que perdura é arte, assim como muita coisa que se perde não podem ser considerados como não arte e vice-versa. É impossível generalizar a arte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *