Produto eco?

Sempre gostei das propagandas do Real feita pela agência deles, a Talent. Apesar de toda a polêmica com os blogueiros com o anúncio do Estadão, pelo menos nos anúncios e vídeos do Real ela acertava, na minha opinião de leiga em propaganda e ativista ambiental.
Eis que eles lançaram um anúncio para o produto Rainha Eco. Fui procurar saber mais sobre o produto e quem disse que eu achei? Quem tiver mais informações por favor me mandem.
Bom, vamos ao anúncio (clique na imagem para ver maior), o tema principal desse post, parece ser um anúncio bonito com idéia interessante afinal eles não usam tinta e é feito em papel reciclado. Mas que raio de mensagem é essa que manda você ir às compras? Desde quando ir às compras faz diminuir o desmatamento, impedir o derretimento das calotas polares ou minimizar as conseqüências do aquecimento global? Parece aquela propaganda estúpida da Diesel.

O problema aqui foi apenas a inversão das 2 últimas frases, se elas fosse trocadas seria perfeito, não? Ou estou com problemas de interpretação? A dúvida que me assola é: de quem foi a culpa? Do redator (agência) ou da pessoa da empresa que aprovou isso (a Rainha)?
Vamos pensar que o erro foi da Rainha que quis o anúncio assim, precisa falar mais alguma coisa sobre o dito Rainha “Eco”?

14 Comments

  • 3 de outubro de 2008 - 13:24 | Permalink

    Acho que é muito econeurótico.
    A propaganda É boa. Pronto.

  • 3 de outubro de 2008 - 14:07 | Permalink

    Clau,
    Que mal há em ir às compras? Ir às compras significa gerar empregos, fábricas produzindo, impostos sendo recolhidos, recursos para educação e conseqüentemente, pessoas mais conscientes, que poderão ir às compras de modo mais consciente e mais criterioso.
    O anúncio usou um recurso de humor para fechar uma idéia árida, criativamente.
    O enfoque do anúncio é outro: o grau de neutralização de carbono e atividade eco-sustentável da Alpargatas na produção do calçado.
    Publicitariamente, a peça é irretocável.
    Abcs,
    Jacques

  • 3 de outubro de 2008 - 16:58 | Permalink

    Vc tá defendendo a classe Jacques, eu entendo… Se o consumo for condenado para que servem os publicitários, né?
    Publicitariamente a peça deve mesmo ser irretocavel, mas do ponto de vista sustentável estimular o consumo é condenável.
    Acho q está na hora de pensarmos em outra foram de conseguir a educação das pessoas sem precisar necessariamente consumir mais recursos da natureza.

  • 3 de outubro de 2008 - 17:27 | Permalink

    A peça é linda, bem pensada e mal executada em termos de texto, concordo com você. Ela fica estranha.

  • 3 de outubro de 2008 - 21:10 | Permalink

    faça sua parte … quando for às compras, escolhendo nosso tênis eco?
    será que foi isso que eles queriam dizer?
    porque foi isso que eu entendi… 🙂

  • João Carlos
    4 de outubro de 2008 - 13:07 | Permalink

    Dá uma olhadinha neste post da Lucia Malla (“Uma Malla pelo Mundo”) sobre Greenwashing”.
    O caso é que, de repente, ser “verde” virou “fashion”… Propagandas “verdes” vendem!… porque os paturebas ficam mais preocupados com o “conteúdo” da mensagem divulgada (sem se preocupar, sequer, nem com a veracidade, mas, ao menos, com a verossimilhança – que você percebeu de primeira – e com a “criatividade” da apresentação…
    Em termos de publiucidade, nota 8,5… Em termos de ética… 🙁

  • 4 de outubro de 2008 - 17:05 | Permalink

    Sim, Ana, ACHO q foi essa a intenção do anuncio, ficaria bem mais claro se as frases tivessem sido invertidas, simples assim. Indo às compras, faça a sua parte. Mas como está, pra mim me parece: esqueça esses problemas todos e vá fazer compras.

  • 5 de outubro de 2008 - 16:10 | Permalink

    Cláudia,
    como já te disse antes, o problema é o sistema ideológico. Nessas coisas eu acho que não adianta querer impor ponto de vista. Porque quem está inserido na ideologia não vê os malefícios do discurso. Não acredito que dê para tirar alguém de dentro de uma ideologia com ações objetivas. Acho que este é um processo complexo, que envolve muito mais relações do inconsciente. Nossa parte, eu acho, é trabalhar para as pessoas que se percebam imersas na ideologia do consumo, percebam os males da coisa, e queiram sair, tenham alternativas e possam migrar para uma vida mais orgânica, sustentável, menos industrial.
    Tarefa difícil, de grupo, de muita gente, mas que eu acho que a Internet pode ajudar, e muito.

  • 6 de outubro de 2008 - 19:18 | Permalink

    Sim, é econeurótico com toda razão, principalmente para quem entende o que significa o excesso de consumo para os mecanismos de sustentação da vida na Terra, inclusive a dos seres humanos, porque, pasme, tenho uma notícia a dar: nada diferencia o ser humano dos demais animais, escreveu Darwin e o fato de termos colocado a vida desse planeta na maior extinção dos últimos 65 milhões de anos significa que nós estamos em risco, porque é muita ingenuidade achar que essa extinção jamais irá se voltar contra os causadores.
    A propaganda é horrível, porque nem induz o consumo consciente. Por enquanto as vertentes de consumo consciente estão só focando madeira, cigarro, bebidas alcóolicas, mas o impacto do consumo de vários outros problemas é aterrador. Quem diz isso não são econeuróticos, são os maiores cientistas da Terra.
    O primeiro R é o reduzir, o segundo é reutilizar e o terceiro é reciclar, quando não tem mais jeito.
    Hugo

  • 6 de outubro de 2008 - 19:21 | Permalink

    Sim, tudo isso é verdade se os produtos vendidos geram ganhos para a sociedade e são ambientalmente sustentáveis. O problema é que o esquema de vendas do sistema econômico atual tem produzido uma concentração de riqueza monumental, destruição de empregos a velocidade da luz (nos EUA as 500 maiores corporações destruiram 15 milhões de empregos entre 1970 e 1990 enquanto a população ou a demanda por oportunidades de trabalho aumentou 30 milhões de pessoas).
    O contrato social do esquema de vendas das empresas e como isso é revertido para a sociedade nunca foi avaliado.
    Abraço Hugo

  • 6 de outubro de 2008 - 19:22 | Permalink

    concordo com a Chow, foi a idéia horrível que me passou!

  • Igor Santos
    7 de outubro de 2008 - 23:08 | Permalink

    Eu, como leigo em propaganda e eu ecologia, entendi o “indo às compras” como “vá andando”, já que é um anúncio de tênis.
    O objetivo seria deixar o carro em casa, evitando poluição que causa aquecimento global e etc…
    Alguém concorda comigo?

  • Claudia Chow
    9 de outubro de 2008 - 21:45 | Permalink

    Igor acho q vc ta abstraindo de mais! hehe

  • 11 de outubro de 2008 - 17:10 | Permalink

    Yep… o consumo deve ter o ritmo desacelerado. Mas criticar uma propaganda por ela pedir para comprar um produto é algo bem estranho. O pessoal precisa comprar calçados. Eu, pelo menos, não ando descalço. 🙂

  • Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Skip to content