Ignose (e outros compostos ignóbeis)

Em 1927, o fisiologista húngaro Albert Szent-Györgyi (1893-1986) isolou uma substância presente em limões e laranjas que parecia prevenir o escorbuto. Só que ele não conseguiu identificá-la quimicamente. Parecia um açúcar, mas tinha propriedades ácidas.

Szent-Györgyi — talvez inspirado pelo reconhecimento científico da própria ignorância presente no nome do Raio X —, chamou aquela substância de ignose, isto é, “eu ignoro” em quimiquês. A ideia parece digna de um IgNobel de Química, mas não é.

Talvez menos modestos (ou temendo altas confusões), os editores do Biochemical Journal não gostaram da denominação proposta e pediram um novo nome. Szent-Györgyi sugeriu, então, godnose. Depois de alguma discussão, eles resolveram deixar os nomes simples de lado e partiram para um composto: ácido hexurônico. Atualmente, a substância é conhecida como ácido ascórbico.

Não precisava ter complicado tanto. O que Szent-Györgyi havia descoberto era a Vitamina C!

Outras substâncias com nomes ignóbeis são listados a seguir, em ordem alfabética (os ácidos seguem a ordem pelo adjetivo): (mais…)