Quando se trata de visualizar terremotos, mapas são sempre úteis — especialmente para saber onde eles ocorrem. Mas e quanto à dimensão temporal?

Juntando dados do ANSS (Advanced National Seismic System), do USGS (United States Geological Surveys) e da Universidade de Berkeley à imagens da NASA, John Nelson montou um mapa com todos os sismos registrados desde 1898. Cada ponto luminoso é um terremoto, ou melhor, o epicentro de um terremoto. Quanto mais brilhante, mais tremores há em determinada área. As magnitudes são separadas por cores e vão de 4 a 8 na escala Ritcher.


Uma pena que o infográfico (tamanho integral) de Mr. Nelson seja apenas estático e não interativo — seria muito mais interessante poder clicar em cada ponto, ampliá-lo e ter acesso aos dados sobre os terremotos representados. Ainda assim, além do pouco surpreendente acúmulo de ocorrências em torno do Pacífico, há informações interessantes. Como indica o gráfico no rodapé, os sismos mais frequentes foram os de 4 graus (74,45% dos registros). Apenas 0,01% tiveram grau 8 (ou mais). Note que há alguns tremores, ainda que de pequena magnitude, no território brasileiro — principalmente no Nordeste, que fica mais próximo do rift meso-atlântico.

[IDV Solutions via Scinerds]


0 comentário

Maximus Gambiarra · 3 de julho de 2012 às 9:57

Esse termo “pouco surpreendente” me faz pensar que não é muito boa ideia viver sob essa linha amarela e verde….

Diogo · 3 de julho de 2012 às 16:36

Só uma pequena correção. A escala Richter não é graduada, logo é errado se falar “os sismos mais frequentes foram os de 4 graus”. A escala Richter é logarítmica e adimensional, tendo sua função apenas em comparar o “tamanho” de cada sismo em relação a outro.

    Renato Pincelli · 3 de julho de 2012 às 18:05

    A escala pode até ser adimensional, Diogo. Mas fora da literatura científica de sismologia, ninguém fala ou escreve algo como “4 Richter”.

Um século e meio de furacões, tornados, ciclones e tufões | hypercubic · 30 de agosto de 2012 às 12:01

[…] Nelson cartografa novamente! Depois de mapear pouco mais de um século de terremotos, o gerente de cartografia da IDV Solutions voltou-se para os desastres atmosféricos. Com base em […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *