MIT descobre o universal linguístico (ou não)

596px-Bruegel_d._Ä.,_Pieter_-_Tower_of_Babel_-_Museum_Boijmans_Van_Beuningen_Rotterdam

Torre de Babel (Pieter Bruegel, o velho. c. 1563)

[tradução e adaptação de: “MIT claims to have found a “language universal” that ties all languages together“, por Cathleen O’Grady, no Ars Technica]

Ao redor do mundo, as línguas assumem uma estonteante variedade de formas — a tal ponto que isso mantém um longo debate sobre se todas as línguas podem ter alguma propriedade em comum. Agora, de acordo com um paper publicado na edição dessa semana da PNAS, há um novo candidato ao fugidio título de “universal linguístico”. Todas as línguas, segundo os autores, se organizam de tal modo que conceitos relacionados ficam tão próximos quanto possível dentro de uma frase, facilitando a compreensão da noção geral que expressam. (mais…)

As Belas Adormecidas da Ciência

AURORA

Quando um paper é publicado, espera-se que ele mantenha relevância por alguns anos e depois de ser superado acabe caindo no sono dos justos. Mas nem sempre é assim. Pode acontecer algo como o artigo do Teorema de Pick, publicado em 1900 e que passou quase setenta anos dormente antes de começar a atrair interesse, ser citado e replicado. Um paper que que dorme por anos e anos nos arquivos científicos é o equivalente acadêmico da Bela Adormecida. (mais…)