O estica-e-puxa de TRAPPIST-1

Esta concepção artística mostra a eterna alvorada em TRAPPIST-1f, numa área que poderia ser habitável. No céu, veem-se outros mundos bem próximos, 1e (crescente menor), 1d (crescente maior) e 1c (pontinho brilhante junto ao sol).

Esta concepção artística mostra a eterna alvorada em TRAPPIST-1f, numa área que poderia ser habitável. No céu, veem-se outros mundos bem próximos, 1e (crescente menor), 1d (crescente maior) e 1c (pontinho brilhante junto ao sol). [Imagem: NASA/Caltech]

Enquanto seu sol emite partículas muito energéticas, os sete planetas desse sistema trocam influências gravitacionais entre si. Dependendo das condições, esse ambiente pode facilitar ou complicar o surgimento da vida.

No final de 2015, o Transiting Planets and Planetesimals Small Telescope, um telescópio robótico belga instalado no Chile, encontrou seu primeiro sistema planetário. Batizado de TRAPPIST-1, esse sistema — situado a 40 anos-luz daqui, na constelação de Aquário — poderia ser logo esquecido como o começo de um longo catálogo, mas chamou a atenção porque observações subsequentes revelaram que ali existe um conjunto de sete planetas terrestres. (mais…)

Uma Ponte feita de Estrelas

Junte duas galáxias anãs ao redor da Via Láctea, acrescente forças de maré e a resistência de uma corona. Reserve por milhões de anos e o resultado é uma ponte estelar recém-descoberta. Desde tempos imemoriais, os humanos cruzam alguns rios por meio de pontes formadas natural ou artificialmente pela disposição Leia mais…