O mistério dos cubos verdes

Heisenberg cube

Alemanha. Início da década de 1940. Enquanto as forças armadas do III Reich avassalavam boa parte da Europa, uma discreta tropa de cientistas alemães lutava para submeter o urânio à fissão nuclear. Sabemos que os nazistas não tiveram sucesso na criação de sua bomba atômica, mas desde o fim da II Guerra, historiadores e físicos nucleares tem se perguntado: até que ponto eles chegaram? Conseguiram criar e manter um reator nuclear estável? Quando e onde foram feitas suas pesquisas? De onde extraíram seu urânio? Sete décadas depois, uma investigação forense de amostras históricas de urânio encontradas na Alemanha parece ter as respostas. (mais…)

5 novos pesos pesados (pero no mucho)

new-isotopes

[Imagem: Lawrence Livermore National Laboratory/divulgação]

Na tabela periódica, os pouco mais de cem elementos químicos são ordenados de acordo com seu peso atômico. Na parte de cima da tabela, existem os pesos-leves (hidrogênio, hélio, lítio); no meio, os pesos-médios (a maioria dos elementos mais comuns, como cálcio, nitrogênio, carbono, oxigênio) e os pesos-pesados (urânio, rádio, polônio), alojados nos andares de baixo, tendem a ser instáveis e radioativos. Muitos dos pesos-pesados são elementos artificiais, fabricados em laboratório. Na busca por novos métodos de síntese de núcleos atômicos pesos-pesados, cientistas encontraram cinco variantes de elementos pesados já conhecidos, mas nem tanto. (mais…)