Quando a ciência muda o destino

Neste ultimo sábado nossa equipe participou da UPA (Unicamp de Portas Abertas) apresentando para alunos de ensino médio um pouco da pesquisa realizada em nosso laboratório, tanto na parte de experimentação quanto na bioinformática, usando a atual “euforia Pokemon” como modelo. Recebemos mais de 1000 visitantes que demostraram muito interesse e fizeram nosso cansativo dia valer a pena!
fullsizerenderPara dar uma noção geral da pesquisa que realizamos, preparamos seis setores de demonstrações. O primeiro introduziu conceitos de evolução dos organismos usando os Pokemons, o estudo do DNA para entendermos as relações de ancestralidade entre espécies e a manipulação do DNA de diferentes espécies na produção de transgênicos. Em seguida, os visitantes passavam para o segundo setor, da extração de DNA, que usou um protocolo caseiro para a extração utilizando apenas sal, detergente e álcool. No final da extração, os visitantes foram encaminhados para o setor do Pokemon transgênico, onde foram mostrados métodos de manipulação genética usando especialmente bactérias e leveduras nas transferências gênicas.
7c93ba4a-3ddf-4ea0-a361-c76e3a43ac02Com todos esses dados genômicos em mãos, os visitantes foram encaminhados para o quarto setor onde foi usada a ideia do Pokedex, um dispositivo de identificação de Pokemons e de suas características especiais, para introduzir análises de bioinformática que usam a grande quantidade de dados de sequenciamento de DNA tanto para identificação da posição filogenética de espécies quanto o estudo comparativo de suas características de interesse. O quinto setor apresentou aos visitantes nossas principais linhas de pesquisa: fungos patógenos do cacaueiro, leveduras fermentadoras de biomassa para produção de etanol de segunda geração, manipulação de plantas de grande potencial de produção de biomassa (como a cana, o eucalipto e a agave), e uma linha de neurociências que estuda o sistema olfativo de camundongos, suas características moleculares e influências no comportamento dos animais. Ao final, os visitantes foram levados para um mini-tour pelo laboratório de biologia molecular e de bioinformática.
d11657e2-49c0-42c8-b3a6-27806873f0c0Alunos e professores de ensino médio, pais e familiares de alunos, a cada setor da visita expressavam maior admiração pelo que viam. Muitos alunos quiseram tirar dúvidas e saber mais do trabalho que realizamos. Conversando com esses alunos registramos que eles viam principalmente de escolas da região de Campinas, mas tivemos também visitas de escolas do interior de São Paulo e de Minas Gerais. Alguns, com um brilho especial nos olhos, nos abordavam ao final dos setores para perguntar como poderiam um dia fazer parte do nosso time. Quase um terço dos visitantes parou ao final da visita para nos deixar recados do que acharam de tudo que viram. Ficamos emocionados com muitos deles! Vejam alguns abaixo:
“Me deu muita segurança a respeito da carreira que quero seguir”
“Esse percurso me ajudou a decidir o que realmente devo seguir. Obrigada”
“Muito legal e me estimulou a procurar mais conhecimento sobre essa quimera da biologia”
“Adorei, espero fazer o mesmo no futuro! Continuem assim por um mundo melhor”
“Adorei muito conhecer o grupo e o prédio. Provavelmente ano que vem estarei fazendo IC aqui.”
“Laboratório muito F*DA”
fullsizerender2
Dentre as questões respondidas por eles no final da visita, perguntávamos qual a parte que eles mais gostaram. A extração do DNA ficou bem à frente das outras na preferência dos alunos. Obviamente, esse era o setor mais visual e mais interativo, o que deve ter contado nesta preferência. A nossa bioinformática ficou na penúltima posição. Não temos dúvida de que eles gostaram do que mostramos, mas ainda temos grande dificuldade em transformar a bioinformática em algo interessante para o público em geral. Estamos trabalhando duro nisso e sugestões serão sempre bem vindas!
lgenaupa_grafico
d2fc5839-e913-4a9a-bdd7-c24e785998efUm aluno nos chamou atenção em especial. O Gabriel Barozzi, aluno do terceiro ano do ensino médio de Taubaté, veio com apoio dos pais e já havia entrado em contato com um de nossos alunos antes mesmo da UPA. Gabriel já se inscreveu para o vestibular das três estaduais paulistas para o curso de Biologia. Durante a visita, se animou a ponto de já querer pensar em começar a estagiar mesmo antes de ingressar na faculdade! Hoje mesmo ele está por aqui para conversar melhor conosco. Estamos esperançosos de que ele e muitos outros(as) tenham despertado e cultivado o interesse pela ciência e, em especial, pela biologia molecular e bioinformática. Levamos conosco dessa experiência um enorme aprendizado da importância de aprendermos a passar informações de uma forma simples e interessante, que possa dar retorno à sociedade de tudo que se produz dentro da universidade. E com essa meta nós seguimos nosso blog. Até a próxima!
img_9673
Tags , , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Sobre julianajose

Bióloga, Mestre e Doutora em Genética e Evolução pela Unicamp, atualmente pesquisadora de Pós-doc em Bioinfo no Laboratório de Genômica e Expressão do IB-Unicamp. Apaixonada por todas as formas de vida e pelos métodos estatísticos e computacionais que nos permitem estudá-las.

7 respostas para Quando a ciência muda o destino

  1. Mariana Rebouças diz:

    Turma nota mil!!! Sem dúvida um ambiente inspirador com pessoas inspiradoras <3 😀

  2. Francisco Lobo diz:

    Parabéns pela iniciativa e pela criatividade, Ju! Gostei bastante das ideias de vocês, ótima proposta de divulgação científica! Se a Universidade não fizer isso, não consegue convencer a sociedade da sua importância, depois não adianta ficar reclamando quando não faltar os recursos necessários para pesquisa/ensino/extensão, né?

  3. Marina Barreto Felisbino diz:

    Parabéns pela iniciativa, participei de um UPA durante o ensino médio que foi muito especial para as minhas decisões!!

  4. Cláudio Marinho diz:

    Legal demais! A abordagem pedagógica foi muito bacana e esta atividade poderia ser vivenciada por estudantes de todo Brasil. Parabéns!

  5. Silvia GAtti diz:

    parabéns a todos e todas. sempre muito bom ver nossos alunos fazendo bonito!!

  6. Carolina Stefano Mantovani diz:

    Que sensacional, Ju!!! Adorei o jeito como vocês organizaram essa atividade da UPA!! Ontem ouvi a Sheila falando sobre o blog, e fiz questão de vir aqui conferir as postagens de vocês! Adorei descobrir que o “clã do LGE” também está engajado em iniciativas de Divulgação Científica!! Tive experiências muito positivas também com atividades da Biologia do Desenvolvimento, precisamos trocar umas “figurinhas Pokémon” depois! hahahaha =D

  7. Pingback:Ciência e política: como atuar mutuamente? - Terabytes of life

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *