Celebrando Florence Nightingale: a menina que seguiu seu instinto e revolucionou a medicina.

Florence Nightingale by Charles Staal engraved by G. H. Mote

O que eu acho interessante do nosso tópico “na história” é que, através dele, trazemos mulheres que fizeram história em uma época onde a mulher era restrita ao trabalho doméstico ou no campo. Contudo, algumas delas tiveram ousadia e coragem para entrar no palco como ajudantes dos maridos nos laboratórios, dando seguimentos à pesquisa de um familiar e/ou quebrando o rumo do destino. Em todas essas situações elas foram revolucionárias; viraram a atriz principal e fizeram história! Florence foi uma mulher visionária que através da oportunidade de servir na Guerra da Crimeia revolucionou os hospitais com suas medidas sanitárias e de cuidado pessoal aos pacientes. Suas medidas são seguidas até hoje pelas escolas de enfermagem e pelos hospitais.

História

Nascida na Itália em 1820, Florence era a filha mais nova de uma família burguesa de Londres e sempre foi ativa na filantropia – cuidando de pobres e doentes da vila em que morava. A situação financeira confortável da família lhe permitiu acesso aos estudos: Florence obteve uma educação clássica que incluiu Matemática, Alemão, Francês e Italiano. Entretanto, apesar dos estudos até então, os esforços da menina deveriam ser para casar-se com alguém que mantivesse seu padrão de vida e não para exercer uma profissão. Após negar um pretendente arranjado pelos seus pais, Florence se matriculou no curso de enfermagem no Hospital Luterano do Pastor Fliedner da Alemanha em 1844.

A dama da lâmpada

Three Quarter length portrait of Florence Nightingale, 1860

No início dos anos 1850, Florence retornou para Londres e foi trabalhar no hospital da rua Harley, o Hospital Middlesex. Sua performance foi tão excepcional que ela foi promovida a superintendente em menos de um ano de serviço. Neste mesmo hospital, ela eliminou um surto de cólera através de boas práticas de higiene, o que reduziu significantemente a taxa de óbito do hospital.

Em 1854, Florence foi contatada pelo Secretário da Guerra da Crimeia, Sidney Herbert, para que montasse um grupo para servir no hospital militar. Naquela época, o exército britânico tinha 18 mil soldados admitidos nos hospitais militares. Florence juntou rapidamente 34 enfermeiras de diferentes religiões e embarcou para Crimeia poucos dias depois. No espaço utilizado como hospital em Constantinopla, o time liderado por Florence encontrou água contaminada, excrementos, insetos e roedores por todo o lugar. Suprimentos hospitalares também eram escassos. Florence logo percebeu que os soldados morriam mais devido a doenças infectocontagiosas do que por ferimentos de guerra. Assim, a enfermeira não mediu esforços para sanitizar o local. Além de limpar o espaço do chão às paredes, Florence deu início ao serviço de ronda utilizado hoje nos hospitais: momento em que passava pelos leitos para conferir os pacientes. Esse ato a tornou conhecida como “ a moça da lâmpada”.

Florence relatou sua vivênciana Crimeia no livro “Efficiency and Hospital Administration of the British Army”, que serviu para reestruturar o departamento administrativo de guerra. Ainda pelo seu trabalho na guerra da Crimeia, a rainha Victoria lhe deu o valor de 250.000 dólares, que ela utilizou para criar a escola de enfermeiras Nightingale no Hospital St. Thomas. Nesta época, Florence era reconhecida pelos seus serviços e participou da reestruturação do escritório do Departamento Administrativo de Guerra.

Contribuições para o estudo estatístico

Na época em que Florence trabalhava nos hospitais, os dados como mortalidade, nascimento e infecções não eram computados. A facilidade da enfermeira para os números era tal que ela conseguiu tabular as informações de forma inovadora através de um formato de gráfico de pizza no diagrama de área polar ou “Nightingale rose diagram”Esses gráficos foram utilizados por Florence para reportar a natureza e magnitude do serviço de saúde pública na Guerra da Crimeia para os membros do parlamento, o que iniciou a mudança no serviço público de saúde britânica. Em 1859, Florence foi eleita membro da Sociedade Real de Estatística e em 1874 tornou-se membro honorário da Associação de Estatística Americana.

O compromisso Nightingale

A enfermagem conduzida por Florence era excepcional, sua ronda noturna contribuiu para diminuir

Graduandos recitando o Compromisso de Florence Nightingale, 1947

a mortalidade bem como seus cuidados mais próximo dos pacientes. Sua excelência foi tamanha que suas atitudes foram compiladas no chamado Compromisso Nightingale, para que fosse reproduzido como declaração de ética por todo novo profissional. O compromisso Nightingale foi criado em 1893 por um comitê liderado por Lystra Gretter. Recheado de afirmações que reforçavam fazer o bem ao próximo, lealdade ao paciente e abstenção de qualquer substância maléfica, o compromisso foi solenemente recitado por alunos de graduação em enfermagem nos Estados Unidos até os anos 70. Cabe aqui dizer que Gretter foi uma enfemeira atuante na defesa da saúde pública e uma revolucionária.

O legado

Florence foi universal: sua paixão pela filantropia a levou para a enfermagem, de onde pode fazer importantes contribuições. Ainda convalescente devido a febre tifoide contraída na Crimeia, Florence realizou trabalhos administrativos e dedicou-se a criação da escola de enfermagem da Inglaterra. Ela não só revolucionou a saúde pública na questão sanitária como apresentou novas formas de avalia-la e inaugurou a escola para transmitir esses conhecimentos. Seu legado é grande! A magnitute de bibliografias, peças teatrais e monumentos reforçam que Florence é um exemplo a ser seguido. Diante de toda sua jornada o que é sempre bem reforçado é a forma com que tratava os pacientes: com compaixão e comprotimento e a forma diligente que cuidava da administração hospitalar. Ela faleceu em Londres no dia 13 de agosto de 1910.

 

Referências

Florence Nightingale Biography

https://www.biography.com/scientist/florence-nightingale

https://www.britannica.com/biography/Florence-Nightingale

https://www.history.com/topics/womens-history/florence-nightingale-1

Marsha D. M. Fowler, 1984, Ethics and nursing, 1893-1984: the ideal of service, the reality of history,Ph.D. thesis, University of Southern California, Los Angeles.

 

Carolina é formada em Biologia e Mestre e Doutora em Imunologia pela UNICAMP, atualmente faz pós-doutorado na Universidade do Alabama em Birmingham -USA. Desde sempre tem avidez pelo testar e descobrir e uma paixão intrínseca pelo ensinar. Sonha com o dia em que todos terão os mesmos direitos de acesso.

Sobre Carolina Francelin 2 Artigos
Carolina é formada em Biologia e Mestre e Doutora em Imunologia pela UNICAMP, atualmente faz pós-doutorado na Universidade do Alabama em Birmingham -USA. Desde sempre tem avidez pelo testar e descobrir e uma paixão intrínseca pelo ensinar. Sonha com o dia em que todos terão os mesmos direitos de acesso.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*