Biocombustíveis são limpos?

Eu poderia discorrer linhas e linhas explicando o quão limpo são os biocombustíveis, o quanto eles poluem menos, que são renováveis, que são mais sustentáveis que o petróleo, mas nenhuma palavra apagam essas imagens…

Uma usina de cana-de-açúcar e seus efluentes… Assim, despejados, num córrego próximo. Não pergunte o cheiro desse lugar, ninguém acharia agradável, com certeza.

campo_19-08_21-08 028.jpgcampo_19-08_21-08 029.jpg
campo_19-08_21-08 030.jpg

Essa Usina fica no interior de SP e não pretendo falar o nome dela aqui por que vai que despejar todo esse efluente no Rio seja um procedimento legal, afinal, a Usina tem até licença de Operação da Cetesb desde 2006.

Na realidade consultando sobre a Usina no site da Cetesb a situação está bem confusa. Eles tem uma Licença Prévia emitida em março de 2008 e uma Licença de Operação emitida em abril de 2006. Não entendi. O Procedimento de licenciamento ambiental passa pela licença prévia, licença de instalação e licença de operação. Estariam eles renovando a licença de operação? Provável…

Ah! No site deles você pode encontrar a Programação da queima da palha da cana, tá? Pra quem não sabe a queima sempre acontece depois das 17horas!

De qualquer forma, vamos tomar cuidado quando vemos e ouvimos políticos, jornalistas, entusiastas dos biocombustíveis, conclamando que o álcool é salvação do mundo.

7 Comments

  • 3 de fevereiro de 2009 - 21:08 | Permalink

    Belo post Claudia.
    Lembremos também que a queima da cana é uma das principais fontes de N2O (um gás estufa muito mais forte que o CO2) para a atmosfera. Fica difícil acreditar que biocombustíveis baseados em vegetais terrestres possam ser limpos. Isso com toda a nossa grande experiência em monocultura, pé atrás é o mínimo que temos que ter.
    Abraços.

  • 3 de fevereiro de 2009 - 22:33 | Permalink

    Claudia, agora não lembro onde li um post explicando matematicamente que os biocumbustíveis poluem menos. Ainda tenho dúvidas quando o tema é visto de forma mais generalizada, principalmente nessa questão de impacto ambiental. Não vejo solução, apenas uma: a diminuição do consumo.

  • 4 de fevereiro de 2009 - 13:12 | Permalink

    Duas coisas me impressionam em imagens como essas. A primeira, obviamente, é o dano ambiental e a irresponsabilidade dos gestores. A segunda é saber que este efluente pode ser usado como um rico adubo e também já há tecnologia para produzir biogás para gerar energia. Ou seja, estão jogando dinheiro fora. A esse respeito postei uma análise sobre matéria da Andrea Vialli no Estadão de hoje sobre aumento do uso de resíduos como fonte energética. Existe consolo? Não sei, mas minha esperança e bom senso dizem que as empresas que aproveitam os resíduos se sairão melhores do que as que fazem o que essas imagens mostram.

  • 4 de fevereiro de 2009 - 13:15 | Permalink

    Sim, Isis, se o consumo nao diminuir consideravelmente nao tem consolo…

  • 4 de fevereiro de 2009 - 13:20 | Permalink

    Aproveitamento de resíduos deveria ser senso comum e fotos como essas nao deveriam existir. Nao gosto de ficar esperando a “mao invisivel” do mercado resolver isso…

  • 5 de fevereiro de 2009 - 12:04 | Permalink

    Biocombustiveis são limpos, essa afirmação se dá pelo residuo deixado após o uso, mas ninguem leva em conta a produção.
    Celula de combustivel usa hidrogenio como combustivel e o residuo é agua, ótimo.
    Mas o custo energetico para se obter hidrogenio ainda é alto.

  • 31 de março de 2009 - 10:38 | Permalink

    Olá, Claudia
    Os biocombustíveis vieram como uma opção eficaz aos combustiveis fósseis e ao aumento ao aquecimento global. Mas, como nem tudo são flores, há o lado ruim desta opção. Além do que vc discutiu no post, há a ideia de que o uso deles é um dos responsáveis pelo aumento de certos alimentos e de que ele é o responsável direto pelo encarecimento dos mesmos.
    este artigo explica:
    http://empresasefinancas.hsw.uol.com.br/biocombustivel-alimento1.htm
    O que vocês acham?
    Abraços

  • Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Skip to content