Nas Terras do Bem-Virá

Assisti Nas Terras do Bem-Virá na Mostra de Filmes Ambientais que teve na minha cidade. Infelizmente só fiquei sabendo dessa mostra no último dia e só pude ver esse filme.

O vídeo mostra toda a saga do povo nordestino que migra para o Pará em busca de melhores condições de vida e nem sempre é o que encontram. Histórias de exploração, conflitos de terra, trabalho escravo, muita luta, sofrimento e miséria.

Depois de assisti-lo eu, infelizmente, vejo como o Brasil é um país de terra de ninguém, que quem vive no sul e sudeste do país vive numa ilha e que a grande maioria das pessoas não entendem e não tem ideia do que se passa por lá.

Confesso que até assistir esse filme eu não tinha muita noção de quem tinha sido de fato a Irmã Dorothy e eu fiquei impressionada com o trabalho da Igreja naquela região de conflito que as mídias de massa aqui do sudeste não mostram. Aliás, pergunto, antes do assassinato dessa senhora de 74 anos, quem já tinha ouvido falar dela? Não contam pessoas daquela região ou que tenham familiaridade com esse assunto. Pesquisando no Google News por Dorothy Stang no período de Jan/2004 a Jan/2005 sabe quantos resultados eu obtive? 7! Sendo que um deles está errado e é de 2009. Ou seja, o Brasil do Sul e Brasília não tem noção do que acontece além de suas fronteiras, é fácil entender o motivo do desmatamento da Amazônia crescer, é fácil ver atrocidades como uma pessoa ser morta a queima roupa em plena luz do dia acontecer, são terras sem lei, onde o mais rico, poderoso e influente manda independente de ter razão ou não. E tudo isso acontece por conta de um modelo de desenvolvimento que criaram pra uma floresta sem, é claro, considerá-la e também desconsiderando completamente seu povo.

Gostaria muito de ter a resposta para poder ajudar a resolver esse imbróglio, não é uma situação fácil de lidar e muito menos de resolver, mas não podermos continuar ignorando que ela exista e faz parte do nosso país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *