Turismo “verde”

Por conta do dia da Terra (22/04) alguns sites resolveram falar de turismo “verde”. O Lonely Planet por motivos óbvios, já que é uma empresa de turismo e o Mashable, bem eles eu não sei por que resolveram associar turismo, dia da terra e tecnologia. De qualquer forma, como ultimamente ando viajando bastante (vide meu outro blog, Algum lugar do Planeta) achei interessante falar sobre o assunto aqui.

Adoro fazer ecoturismo, visitar locais onde entramos em contato com a natureza, provavelmente pela minha formação de geóloga esse gosto seja um pouco mais acentuado, mas fato é que nunca consegui fazer nenhuma viagem que eu considerasse “verde”. Simplesmente por que eu acho isso impossível, viajar é impactante, a indústria do turismo é toda baseada no disperdício, no luxo, na comodidade sem consequências e ai você caro amigo que como eu ama viajar, como faz? Não viaja mais? Seria esse o ideal, mas se o turismo do mundo parasse seria um verdadeiro problema para os locais onde ele é essencial.

O artigo que eu li no Lonely Planet “Como saber se sua viagem é verde ou apenas greenwash” eles tornam quase impossível fazer a sua viagem ecologicamente correta, pedir pro seu hotel/destino responder questões como: Quais são os principais problemas ambientais enfrentados e como eles estão lidando com isso ou Qual a proporção da receita permanece ou é revertida para a comunidade local? Pra mim pareceu piada, imagina uma pousadinha em Lençóis na BA, porta de entrada da Chapada Diamantina, você consegue imaginar eles respondendo isso? Ou até mesmo a secretaria de turismo da cidade? Eu até consigo imaginar a resposta padrão que vai vir com aqueles bordões de relatórios de sustentabilidade de empresas. Espero que eu esteja errada, mas quantas pessoas antes de viajar se preocupam em perguntar isso? E outra, será que dá pra acreditar na resposta que vier? A minha opção é: vai lá ver como eles encaram as coisas, antes vão falar um monte de milagres, mas só indo lá mesmo pra saber, faça sua pesquisa sobre o local antes e chegando lá converse com as pessoas locais para saber como o turismo é levado por lá.

Ok, o artigo sugere essas perguntas para os destinos que se proclamam verdes, mas e os outros então, merecem quais perguntas? Eles não precisam ser “verdes” também? É por isso que o verde aqui está sempre entre aspas, só tem que se preocupar em ser “verde” quem assim se proclama?

Por exemplo os 30 maravilhosos hoteis “ecofriendly” do artigo da Mashable merecem receber as perguntas sugeridas pelo Lonely Planet para sabermos se são realmente “verdes” ou apenas greenwashing, mas geralmente as pessoas acreditam no que é proclamado e não querem saber muito de ter o trabalho de verificar as informações.

Na verdade os hoteis adoram parecer preocupados com meio ambiente, quem nunca viu dentro do quarto de um hotel aquele aviso dizendo que se você não quiser que troquem as toalhas é só deixá-las penduradas? Acho que em 90% dos hoteis que eu já fiquei na vida tinham esse aviso, pergunta quantos deles respeitaram meu desejo de não trocar a toalha? Acho que apenas 1. Colocar o aviso é fácil…

caco

No final do artigo da Lonely Planet a autora cita a frase do Sapo Kermit (antigo Caco) ‘it’s not [always] easy being green’ (não é fácil ser (sempre) verde), como eu já disse antes: Ser sustentável é difícil, acredite!

2 Comments

  • Claudio Angelo
    27 de junho de 2013 - 15:06 | Permalink

    A minha pousada em Alto Paraíso vai ser.

  • Pingback: Turismo sustentável | Ecodesenvolvimento

  • Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Skip to content