>

Quando terminou de datilografar o manuscrito (peraí, não seria datilografar a datilografia?) de um artigo, o físico J. H. Hetherington percebeu que havia cometido um pequeno deslize estilístico. Tudo estava escrito na primeira pessoa do plural. O problema é que, muito apropriadamente, a revista Physical Review Letters não aceita papers de um único autor redigidos com nós — nem mesmo em casos de plural de modéstia.

Naquela época, no começo dos anos 1970, ainda não existiam PCs, nem editores de texto, muito menos revisores eletrônicos ou comandos “localizar e substituir”. Por isso Hetherington não queria escrever tudo de novo. Então, ele teve uma ideia: por que não adicionar um segundo autor? E, já que ninguém precisaria conhecê-lo, por que não poderia ser seu próprio gato? Assim, o físico adicionou F. D. C. Willard (“Felis Domesticus Chester Willard”) como seu co-autor.
Até onde se sabe, Chester é o único gato que já publicou uma pesquisa sobre física de baixas temperaturas.

0 comentário

christianne ribas luersen · 11 de novembro de 2012 às 12:02

WILLARD era siamês…

rafinha.bianchin · 12 de novembro de 2012 às 15:22

Além disso, acredito ser impossível datilografar um manuscrito. lol

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *