Patentes Patéticas (n°. 98)

bicicleta eólica

Pedalar é uma opção de transporte ecologicamente correta, mas cansativa. Sempre há a possibilidade de dar uma mão na roda da bicicleta, mas as alternativas para facilitar o uso das magrelas não são lá muito sustentáveis: ou são pequenos motores de combustão, movidos a combustíveis fósseis ou são baterias que movem motores elétricos. Esta parece mais eco-friendly, mas aí você se lembra que as baterias estão cheias de metais tóxicos e que a eletricidade para carregá-las nem sempre é gerada de forma sustentável. Você quer pedalar, mas sem fazer muito esforço. Como proceder?

Use a energia dos ventos. É a sugestão do canadense James C. Hayes, criador da “Wind-assisted bicycle” [“Bicicleta com auxílio eólico”]: (mais…)

Patentes Patéticas (nº. 95)

 parto centrífugo

A senhora está grávida, mas acha que não tem forças para botar seu filho no mundo? Apesar disso, a senhora não quer passar por uma cesariana? Acha o fórceps muito invasivo? Que tal usar uma combinação de força centrífuga e gravidade para por fim à gravidez? Parece uma ideia radicalmente absurda, mas já faz meio século que um casal nova-iorquino inventou um Apparatus for facilitating the birth of a child by centrifugal force [Aparelho para facilitar o nascimento de uma criança por força centrífuga], cujo principal objetivo é (mais…)

O primeiro telespectador e a primeira TV

Entrada no diário do jornalista britânico Sydney Moseley, datada de 1º. de agosto de 1928:

[…] Encontrei um jovem pálido de nome Bartlett que é secretário da nova Baird Television Company. Televisão! Ansioso para ver o que é que é […] Ele me convidou para acompanhá-lo até Long Acre onde a nova invenção está instalada. Agora isso é alguma coisa! Televisão!

Conheci John Logie Baird [1888-1946], um homem charmoso — um tímido escocês come-quieto. Ele poderia passar por modelo da imagem que um colegial tem de um inventor: cabelos desarrumados, modesto, sonhador, distraído. Não obstante, sagaz. Sentamo-nos e proseamos. Ele contou-me que está passando maus bocados com os zombeteiros e os céticos — incluindo os da BBC e de parte da imprensa — que tentam ridicularizar e matar a invenção da televisão em seu berço. Perguntei-lhe se ele me permitiria ver o que ele realmente havia conseguido. Bem, ele teria que se arriscar à minha censura — ou ao meu louvor! Se eu fosse convencido, batalharia por ele. Passamos um tempo juntos e consegui testar sua notável alegação.

[Mais tarde] Vi televisão! O parceiro de Baird — irlandês alto, de boa aparência, mas bastante temperamental, o Capitão Oliver George Hutchinson — foi agradável, mas estava bastante nervoso em arriscar-se comigo. Ele estava terrivelmente ansioso e eu devia ser impressionado. Gostei desse par, especialmente do Baird e decidi dar o meu apoio […] Acredito que realmente temos o que é chamado de televisão. E assim, [sou] mais um na briga!

Baird já vinha trabalhando em seu televisor desde 1924. De certa forma, Moseley conseguiu ganhar a briga: foi graças à influência de seus artigos bastante otimistas sobre a nova tecnologia (aliado a uma boa dose de pressão política) que a hesitante BBC entrou no desenvolvimento da TV em 1929. Mas então, o que deu errado? Porque não tivemos TV em massa antes dos anos 1950 (ou até mais tarde, em muitos países)? (mais…)

Patentes Patéticas (nº. 65)

http://www.google.com/patents/US634887

No finzinho do século XIX, as bicicletas estavam em alta e Samuel G. Goss, de Chicago, achou que só faltava ter música para os passeios se tornarem mais agradáveis. Como ainda não havia rádio nem gramofones portáteis — muito menos mp3-players —, a única solução que Goss encontrou foi tranformar as próprias bikes em instrumentos musicais: (mais…)

Patentes Patéticas (nº. 55)

pogomotor

Qual o resultado do cruzamento de uma britadeira com um pogo stick? Um pogo stick motorizado! Parece piada, mas vários inventores já pensaram nisso. Portanto, se você já pensou em ficar rico com uma máquina de pular mecanizada, é melhor desistir.

Originalmente, o pogo stick motorizado foi inventado por Richard J. Mays, de Tacoma, Washington. Ele trabalhou seriamente nisso no fim da década de 1940 e desenvolveu o Mechanical Jump Stick [Bastão de Salto Mecânico] (mais…)

Patentes Patéticas (nº. 44)

limpador horizontal

Quando a americana Mary Anderson (1866-1953) inventou o limpador de para-brisas em 1903, recebeu muitas críticas. A principal delas argumentava que os movimentos pendulares dos limpadores eram incômodos e poderiam até hipnotizar os motoristas. Apesar disso, mais de meio século se passaria até que alguém tentasse fazer algo melhor. No fim dos anos 1950, os engenheiros Béla Barényi (1907-1997) e Karl Wilfert (1907-1976), de Stuttgart, na Alemanha, criaram um limpador de para-brisas com varredura linear que foi simplesmente chamado de “Limpadores de para-brisas para veículos motorizados” e cujo objetivo era: (mais…)

>Rodando e rodando!

> Suponha que tenhamos um círculo pequeno rolando no interior de um círculo maior, com o dobro do diâmetro do menor, conforme a ilustração acima. Se seguirmos a trajetória descrita por um ponto do círculo menor, qual  entidade geométrica será desenhada? Não seja preguiçoso! Tente resolver o problema antes de Leia mais…

>Patentes patéticas (nº. 34)

> Já em 1930 havia gente bastante preocupada com atropelamentos a ponto de pensar em soluções práticas (ou não). Heinrich Karl, de Jersey City, New Jersey, é um exemplo desse tipo de pessoa: ele inventou um complexo mecanismo para impedir ou minimizar os efeitos de um atropelamento. O sistema, totalmente Leia mais…