A NATURE liberou geral! Como ler artigos científicos sem pagar por eles

Denunciando a idade com a Porta da Esperança.
Denunciando a idade com a Porta da Esperança.

Vamos abrir as portas da esperança!!!

A Nature liberou para ler online todo o seu acervo! Não dá pra baixar, como eu disse é só para ler online, mas já é alguma coisa.

Ah, também não é qualquer um, você tem que receber um link de algum assinante para poder ver.

√Č, na verdade n√£o ajudou muito n√©?

Mas e daí?

√Č que pirataria na ci√™ncia acontece e muito. N√£o estou falando de pl√°gio de dados¬†ou coisas assim (que tamb√©m acontecem), mas de artigos cient√≠ficos distribu√≠dos sem autoriza√ß√£o das editoras. Sabe baixar m√ļsica de torrent? [Torrent? eu? Magina…]¬†Sei sei… Ent√£o, √© a mesma coisa, s√≥ que com informa√ß√£o cient√≠fica.

As revistas mais importantes, que os cientistas mais usam para se informar e se manter atualizados, são pagas. E são muito caras. E rola uma polêmica, porque funciona assim: o cientista produz o artigo, escreve, manda pra revista, ela escolhe se publica ou não, e se publicar ela cobra de todo mundo que quiser ler. Lembrando que o cientista que escreveu não recebe NADA por isso. Sacanagem, né? Ficou claro que publicar revistas científicas é um ótimo negócio, e que só institutos grandes conseguem pagar isso tudo.

Por causa disso, um cientista pobre, ou um jornalista, ou um professor, ou um ex-cientista blogueiro que escreve sobre ciência ( o/ ), fica sem poder se atualizar. E é impossível fazer ciência sem ler os artigos. Daí o moleque cruza o braço e chora? Claro que não. Ele Pirateia.

Como conseguir um artigo sem pagar por ele:

Mandar email para o autor:

Esse era o mais comum e antigo. Houve época em que se mandava pedaços de celulose com traços de tinta (carta) para o autor e este enviava uma fotocópia do artigo. Bacana disso é que estreitava laços e o autor sabia quem estava interessado na sua pesquisa. Com o email foi a mesma coisa, apesar de o autor em geral não poder fazer isso sem autorização da editora.

Pedir ajuda para os universit√°rios:

[segunda refer√™ncia a Silvio Santos, aff] – Universidades e outros institutos grandes fazem assinaturas para que todos os seus funcion√°rios possam ler os artigos que quiserem. Se eu n√£o trabalho l√°, mas conhe√ßo algu√©m que trabalha… Bom, entendeu n√©? √Č s√≥ pedir. E ningu√©m na lista interna de emails do Scienceblogs tinha pensado nisso! Olha que exemplo de retid√£o. O novo¬†sistema da Nature parece que vai ser s√≥ uma evolu√ß√£o desse tipo de envio, agora com uma autoriza√ß√£o da editora.

Esquema russo

Quando imagin√°vamos que o comunismo n√£o mais nos ajudaria… ele n√£o ajudou mesmo, afinal a Russia n√£o √© mais socialista. Mas l√° est√° hospedado um site que tira,¬†sabe Darwin de onde, os artigos abertos para voc√™. √Č s√≥ colocar o site com o artigo que ele se abre todo. √Äs vezes funciona, √†s vezes n√£o, mas √© o pre√ßo da clandestinidade, de quem¬†tem que ficar fugindo a todo momento¬†das editoras com advogados farejadores. O endere√ßo √© sci-hubPONTOorg, e voc√™ N√ÉO viu isso aqui!

Réxitégui

Sim, o twitter serve para alguma coisa! √Č s√≥ pedir o seu artigo com a rashtag¬†#icanhazpdf.

Google, sempre ele:

Google Acadêmico indexa pdf de qualquer fonte (site pessoal, rede social científica, etc) e coloca tudo em um mesmo link ( http://scholar.google.com.br/ )

——————————————

Dica do Massa Crítica

Nature makes all articles free to view