64 – O que está acontecendo com a cidade de Maceió?

E aí pessoal, tudo bem?

Hoje o texto irá abordar um assunto polêmico, e não muito comentado pelos veículos tradicionais de imprensa (só ver as referências). É sobre o que ocorreu em Maceió, vítima do crime ambiental da Braskem.

Tal episódio é considerado uma das maiores tragédias ambientais da história do Brasil.

O que aconteceu?

Basicamente, a Braskem é uma mineradora que estava extraindo Sal-Gema no solo de Maceió, ao qual é utilizado para fabricação de cloro, soda cáustica, e na fabricação de produtos farmacêuticos. Porém, suas ações ignoraram completamente a ciência, e vários outros alertas que fizeram em relação as suas atividades[1].

Como consequência, vários locais aonde tinham casas tornaram se área de risco para habitantes, e pessoas tiveram que abandonar suas casas.

As atividades da Braskem foram encerradas em maio de 2019, pouco após os primeiros tremores. No final de 2019, mais áreas tiveram que ser desocupadas, a medida que a área de risco aumentava. Logo, o impacto da mineradora está perdurando mesmo após eles terem terminado as atividades tardiamente[2].

Nas referências, há vários testemunhos de habitantes relatando como a vida deles foi afetada com este incidente. Inclusive, há um documentário[3] sobre a Braskem e Maceió, ao qual também estará no final deste texto.

Após a irresponsabilidade ambiental

O resultado disto foi que a Braskem teve que indenizar as pessoas que perderam suas casas em um valor de R$ 81 mil reais, cujo valor é pouco para adquirir uma casa melhor. Inclusive, a Braskem é a dona dos bairros afetados por suas ações.

Desta forma, não só a Braskem não foi penalizada de maneira exemplar, como foi uma das ganhadoras neste processo todo[4]. Isto se deve pois o estado de Alagoas é refém da empresa em termos econômicos, pois uma saída da empresa causaria prejuízos em torno de 30% ao Produto Interno Bruto do estado[5].

Os moradores, por outro lado, foram os mais prejudicados, também sendo reféns da Braskem. Até mesmo eles estão cobrando uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI)[6] para apurar os crimes cometidos pela mineradora.

Conclusão

A intenção deste texto não é de maneira nenhuma desqualificar a profissão da mineração, muito menos as pessoas que a praticam. Porém, considerando um impacto ambiental com tamanho impacto na vida social destas pessoas, é quase impossível não pedir a punição dos responsáveis (em especial a Braskem).

A Engenharia deve ser praticada com responsabilidade social e ambiental, de forma a respeitar a ciência e os direitos humanos. Isto já foi falado em relação ao ocorrido em Brumadinho. Tanto que uma das propostas do Conexão Na7ural é estabelecer um maior vínculo da engenharia (em especial a de Energia) com a sociedade. Logo, não é aceitável algo assim ocorrer nesta região.

E você? Comente aqui o que achou. E para mais conteúdo, siga este perfil em todas as suas redes sociais. Ressaltando que o Instagram está com a meta de chegar a 200 seguidores até janeiro de 2022. Não esqueçam de recarregar suas energias, e até a próxima!!

Referências

[1] ANGELO, Maurício, Crime socioambiental transformado em lucro imobiliário: o caso da Braskem em Maceió, Observatório da Mineração, disponível em: <https://observatoriodamineracao.com.br/crime-socioambiental-transformado-em-lucro-imobiliario-o-caso-da-braskem-em-maceio/>, acesso em: 14 dez. 2021.

[2] ROCHA, Juliana Afonso Nina, Maceió: o crime ambiental oculto da Braskem, Modefica, disponível em: <https://outraspalavras.net/outrasmidias/maceio-o-crime-ambientaloculto-da-braskem/>, acesso em: 14 dez. 2021.

[3] ACCARINI, Andre, Documentário denuncia crime ambiental da Braskem em Maceió, Central Única dos Trabalhadores (CUT), disponível em: <https://www.cut.org.br/noticias/documentario-denuncia-crime-ambiental-da-braskem-em-maceio-b5ef>, acesso em: 14 dez. 2021.

[4] VASCONCELOS, Eduardo Afonso, Braskem afunda cinco bairros de Maceió e não é penalizada, Alagoas Boreal, disponível em: <https://www.alagoasboreal.com.br/noticia/60d9cbee16f4b139c29f27fc/braskem-afunda-cinco-bairros-de-maceio-e-nao-e-penalizada>, acesso em: 14 dez. 2021.

[5] ANGELO, Maurício, Mineração da Braskem destrói bairros inteiros em Maceió. Lucro líquido em dois anos atinge R$ 7 bilhões, Observatório da Mineração, disponível em: <https://observatoriodamineracao.com.br/mineracao-da-braskem-destroi-bairros-inteiros-de-maceio-lucro-liquido-em-dois-anos-atinge-r-7-bilhoes/>, acesso em: 14 dez. 2021.

[6] VERDE, Carlos Villa, Caso Braskem: moradores cobram abertura de CPI, Assembleia Legislativa Alagoas, disponível em: <https://www.al.al.leg.br/comunicacao/noticias/caso-braskem-moradores-cobram-abertura-de-cpi>, acesso em: 14 dez. 2021.

Rafael Henrique

Sou graduado em Engenharia de Energia pela PUC Minas. Recentemente, concluí o mestrado em Planejamento de Sistemas Energéticos pela UNICAMP. Decidi dar inicio a este blog, com o intuito de abrir o espaço de divulgação científica relacionado a energia e seus temas relacionados.

Você pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Skip to content