Ainda sobre lixo

Na visita à ONG Doe seu Lixo uma das maiores dificuldades encontradas pelas coperativas e onde é o gargalo deles é a coleta do material. Fazer o material chegar no local de triagem é a maior dificuldade, devido à logística, não é barato ter caminhões para coleta e quando ela é feita no braço (o que eu acredito ser a realidade da maioria das cidades brasileiras) esse serviço está sujeito às intempéries e todas as dificuldades que um serviço feito por uma pessoa casa à casa pode ter.

Mas vocês sabiam que ter o lixo coletado na porta de casa é um luxo que muitos países ricos não tem?

Pois é, se você tem coleta de lixo na porta da sua casa considere-se um privilegiado, se for coleta de material reciclável então, saiba que isso não acontece nem em países como a Suíça.

E como é feito, então? As pessoas tem que levar seu lixo até o local designado para tal.

DSC05319

Levando o lixo separado para local.

DSC05320DSC05321DSC05322

Local onde todos os moradores levam seu lixo, na Suíça.

As fotos são em uma pequena cidade da Suíça, mas esse sistema de “coleta” de lixo acontece em vários países da Europa, é você quem leva seu lixo. Em algumas cidades é montado até um depósito para que você possa levar móveis usados que não quer mais e deixá-los lá para quem estiver precisando.

Perguntei para o Júlio César Santos, o coordenador nacional da ONG, se eles tinham alguma experiência de entrega voluntária do material, ele respondeu que não pois a dificuldade deles era manter esse material guardado e seguro para evitar roubos de catadores individuais. Realmente manter aqui no Brasil um local como esse ai das fotos não deve ser fácil, reparem na limpeza do local, reparem que o local não tem nenhuma “cara”de lixão, agora veja essa foto que eu achei aleatoriamente na internet, essa aqui no Brasil.

reciclagem

Local de armazenamento de materias recicláveis, no Brasil.

Percebe a diferença? O brasileiro precisa mudar a sua percepção do lixo, provavelmente o fato de você ter que levar seu material até algum outo local e ter de armazená-lo em casa por algum tempo faz com que a sua relação com o lixo e todo o material acumulado seja diferente. O que faz uma embalagem de iogurte ser considerada lixo ou uma embalagem que pode ser usada como copo? A sujeira! Pense, você teria na sua mesa durante dias um copo de iogurte vazio e limpo, mas ele não duraria nem uma hora em cima da sua mesa se estiver sujo (desde é claro que você não seja uma pessoa porca e desleixada), percebe a relação?

Sem dúvida tudo isso  muda por conta da educação e do conhecimento. A limpeza e a organização dos materiais e do local reflete diretamente na relação das pessoas com o lixo, a educação e conhecimento faz toda a diferença, desde de quem produz o lixo em casa, na hora de separá-los, até quem vai recebê-los e como irá armazenar. Sem dúvida nenhuma existirá uma preocupação em levar os materiais mais organizados e limpos num local que é minimamente agradável de se ir do que se a única obrigação é deixá-lo na porta para alguém pegá-lo.

A reciclagem começa  em casa, no seu consumo e descarte, só por que você pode largar o problema para trás não quer dizer que ele não será mais seu.

9 Comments

  • ROBERTO FAÇANHA
    29 de maio de 2011 - 19:23 | Permalink

    Ótimas as postagens.
    Fiquei muito contente em conhecer esse espaço.
    Quanto ao cigarro, gostaria de convida-los a conhecer o nosso blog:
    PROGRAMA BITUCA ZERO.
    Lá apresentamops algumas ações do nosso projeto implantado no Estado do Paraná, na tentativa de combater os problemas causados pelo resíduo.
    Visitem e divulguem:
    http://www.ecocitybrasil.blogspot.com
    Obrigado e parabéns!
    Roberto Façanha

  • 29 de maio de 2011 - 20:03 | Permalink

    Há muito tempo, postei sobre o lixo em diferentes partes do mundo onde vivi, e o contraste com o tratamento brasileiro. Desde então, muita coisa mudou (espero que pra melhor…). Aqui no Havaí, por exemplo, agora tem um caminhão que passa coletando o reciclado (a um custo, claro, q nos EUA there’s never free lunch), mas as pessoas são mais incentivadas (via propagandas, campanhas etc.) a levarem onde ficam os postos de coleta. Uma modesta melhoria, eu diria.
    Seu post mostra que ainda é preciso enfrentar alguns desafios sobre o lixo no Brasil, e concordo muito com vc (uma perspectiva q talvez fosse menos vívida na minha cabeça na época em que escrevi sobre): precisamos mudar a percepção do que é lixo. E nesse sentido, levar até o local talvez faça um papel educativo – embora eu ache q possa gerar o efeito oposto, as pessoas não mais reciclarem por preguiça de ir até o local de reciclagem (era o q acontecia aqui antes das propagandas, campanhas, etc.). Ou então gerar um negócio paralelo, com alguém não-governamental pago para fazer isso (q é o q acontece hj aqui). Educação e divulgação de reciclagem precisam andar de mãos dadas, de alguma forma.
    Enfim, é um tema muito crucial, que merece muito mais discussão. Obrigada por compartilhar sua experiência no Doe seu lixo e suscitar um tópico tão relevante.

  • Lucinda Morais
    30 de maio de 2011 - 12:06 | Permalink

    Gostei muito desta postagem. Por coincidência, ontem eu vi um vídeo sobre a coleta de lixo reciclável em Barcelona, é de fazer inveja a qualquer país. Não precisamos chegar ao extremo de Barcelona, mas descartar no lixão toneladas de dinheiro em materiais que podem ser recicláveis é, alem de burrice, um desperdício que vai fazer falta quando a matéria prima faltar. Depois de algumas gerações viverem o consumismo sem consciência, as escolas precisam reverter esse quadro e educar as novas gerações para evitarem o desperdício e viverem de forma mais sustentável.

  • 30 de maio de 2011 - 18:57 | Permalink

    Na Alemanha tem um sistema q é o que mais funcionaria no Brasil de imediato: paga-se pelo lixo. Sei que com os catadores já é assim, mas lá os pontos de coleta são mais próximos do centro, limpos, e vc pode levar uma quantidade pqna e trocar por euros. Essa proximidade e visibilidade dos postos de coleta deixariam a coisa muito mais fácil para educar as pessoas. E talvez seja mais barato que implantar coleta direto nas casa.

  • Luciano
    7 de junho de 2011 - 14:23 | Permalink

    Muito legal o post. Acho que temos muito que aprender ainda. Acho que a questão do lixo envolve muito mais, como responsabilidade social para as pessoas poderem melhorar sua qualidade de vida e consequentemente melhorar a educação e a conscientização.

  • 9 de junho de 2011 - 22:58 | Permalink

    Acredito que se a sociedade de hoje pensasse melhor sobre seu lixo, a vida das pessoas seriam melhor a separação do lixo é esencial para o funcionamento correto das cidades de hoje.
    http://www.pecadosverdes.blogspot.com

  • 14 de junho de 2011 - 17:13 | Permalink

    Excelente post.
    E se trata somente de resíduos recicláveis, imagine como estamos com relação aos resíduos orgânicos?
    Como uma solução para este problema, a JORA lançou no Brasil a composteira manual, basicamente para uso doméstico e pequenos condomínios e a composteira automática, para uso industrial ou em grandes condomínios.
    Você encontra elas no http://www.jorabrasil.com.br.

  • 28 de junho de 2011 - 16:11 | Permalink

    Claudia, muito bom o seu texto. Nunca parei para pensar como estamos mal acostumados!

  • Pingback: Rio+20–Comida, Consumo e Comportamento | Ecodesenvolvimento

  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *