>fósforos soviéticos

A rigor não deveria haver publicidade na União Soviética, afinal esse negócio de fazer anúncios publicitários era arma dos porcos capitalistas. Entretanto, a ideologia comunista não impediu o surgimento de pôsteres publicitários — ainda que o principal anunciante fosse aquela mistura de governo, partido único e Estado. Em meio à inundação de pôsteres que tinham mais política (e políticos) do que publicidade, havia alguns que anunciavam os produtos soviéticos.

O fato de que a economia soviética não era de mercado fica patente pelo tipo de produto que se anunciava. Não eram bens de consumo duráveis e caros. Para os padrões do lado de cá da Cortina de Ferro, eram os gêneros mais básicos, como alimentos — inclusive para os vícios, como cigarros, charutos e bebidas alcoólicas  — e produtos de higiene pessoal, como sabonetes, pastas de dentes. O mais sofisticado que se podia comprar ter conseguir eram lápis, canetas, sapatos e, mais raramente, muitas vezes após meses de espera, um carro.
O mais notável é que, mesmo em meio à Guerra Fria, muitos pôsteres soviéticos eram parecidos, pelo menos no design, com as propagandas americanas.
bebida soviética
cigarro soviético 1
charutos soviéticos
charuto soviético 2
biscoitos soviéticos
sorvete soviético
sardinha em stálin
maionese soviética
suco de laranja soviético      
sabonete soviético
 sorriso soviético
chlorodont
lápis subversivo
sapatos soviéticos   
 volga

0 comentário

clavedosul · 23 de março de 2011 às 4:26

>Olá, rntpincell. Bem interessante esse artigo, mas faço uma observação: seria interessante ressaltar a influência da chamada vanguarda russa da década de 1920 (El Lissitzky, Alexander Rodchenko, Maiakovski e os irmãos Stenberg, por exemplo) no design gráfico do século 20.Esses caras simplesmente revolucionaram todo o conceito gráfico que se tinha até o momento. Aliás, o poeta Maiakovski foi o que se pode chamar do primeiro redator publicitário, função que surgiria nos Estados Unidos nas agência de publicidade só lá pelo início dos anos de 1950, o copywriter. Por isso a semelhança com as propagandas norte-americanas de pós-guerra.

Deixe um comentário

Avatar placeholder

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Skip to content