[youtube_sc url=”http://www.youtube.com/watch?v=SoHeWgLvlXI” fs=”1″ cc_load_policy=”1″ iv_load_policy=”3″]

Congelar a própria luz em uma imagem parece uma loucura saída de um conto de ficção científica. Ou melhor, parecia, pois isso já existe. Nessa vídeoconferência para o TED, Ramesh Raskar apresenta a femtofotografia, técnica de filmagem em 1.000.000.000.000 de quadros por segundo.

Professor-Associado de Artes Midiáticas e Ciências do MIT e especialista em fotografia computacional, Raskar explica como é possível fotografar a própria luz em movimento e apresenta um impressionante exemplo prático: uma “bala” de laser atravessando uma garrafa de Coca-Cola (merchan não-intencional).

Segundo Raskar, essa super-hiper-mega-ultra-blaster-câmera-lenta é tão lenta, mas tão lenta, mas tãããããoooooo leeeeeentaaaaaa que, se filmasse algo fugaz e banal, como uma bala atravessando uma maçã, o filme teria não um dia ou uma semana de duração — mas um ano inteiro!

Para o professor e pesquisador indiano — que também coordena o grupo de pesquisas Camera Culture —, a femtofotografia será capaz de nos dar outro superpoder digno de super-heróis: olhar “além da esquina”. Futurismo à parte, o prof. Raskar prevê outros usos, do mais sério — como na medicina — ao mais lúdico — como na fotografia artística ou na visualização de fenômenos como a relatividade e natureza ondulatória da luz.

Não bastasse tudo isso, a câmera de Raskar não deve ser tão cara quanto parece pois o sistema todo está em código aberto.

Infelizmente, o vídeo está apenas em inglês, mas Raskar fala com um sotaque indiano que me parece bastante fácil de entender. Quem preferir, pode acompanhar as legendas (que eu deixei ativas por default, mas podem ser desativas no botão ‘legendas ocultas’, abaixo, à direita) ou ver o vídeo original no TED.

[Agradecimentos ao leitor André Gazoto por ter me mostrado o vídeo via Facebook. Aliás, você já curtiu a nossa página?]


0 comentário

rafinha.bianchin · 23 de agosto de 2012 às 20:06

Noossa!! :O

Jorge Oliveira · 24 de agosto de 2012 às 16:07

Fantástico, mas sempre tem um chato vendo alguma incorreção:)
Sendo um trilhão de quadros / segundo = 0,000000000001 (12 zeros)
esta fração se chamaria um picossegundo,
sendo que um femtossegundo = 0,000000000000001 (15 zeros).

Será que – como Microsoft, e não Coca-Cola – já planejam a versão futura desse futurismo ?

Vejam as divisões do segundo em

http://pt.wikipedia.org/wiki/Segundo#M.C3.BAltiplos_e_subm.C3.BAltiplos

    Renato Pincelli · 24 de agosto de 2012 às 16:55

    Talvez o nome Femtofotografia (ou fento) se deva ao período das ondas de luz e não ao número de quadros/seg. De acordo com o artigo da Wikipedia que você cita, “As ondas de luz visível oscilam com períodos em torno de 1 fentossegundo.” Eu até corrigiria o texto, mas o vídeo continuaria “errado”.

rafinha.bianchin · 24 de agosto de 2012 às 17:30

é sempre chato ter que corrigir alguém que sabe mais que a gente…

Júlio · 25 de agosto de 2012 às 9:09

Muito interessante! Parabéns.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *