Em Síntese…

Informar uma descoberta de modo sucinto e claro é visto como uma qualidade no meio científico. Quanto mais simples e direto for um artigo, melhor. Se assim for, ninguém supera a qualidade e o poder de síntese do botânico norte-americano Reid Venable Moran (1916-2010). Em outubro de 1962, Moran publicou uma notinha, onde relatava a coleta de um arbusto no topo de uma montanha na Baja Califórnia, nas colunas de um jornal especializado chamado Madroño (que, apesar do nome, é editado pela Sociedade Botânica da Califórnia). O texto, na íntegra, era o seguinte:

Foi lá que eu a obtive naquele momento.

Ou, no original, ainda mais lacônico: “I got it there then”. Esse curtíssimo artículo científico parece não fazer sentido algum. A não ser, é claro, que levemos seu título em consideração: “Cneoridium dumosum (Nuttall) Hooker f. Coletada em 26 de Março de 1960, a uma Elevação de Aproximadamente 1450 Metros no Cerro Quemazón, 15 Milhas ao Sul da Bahía de Los Angeles, Baja Califórnia, México, de uma Faixa que Aparentemente se Estende por umas 140 Milhas.” Agora sim podemos entender o quê ele obteve naquele momento.

Depois do título quilométrico e do texto telegráfico, o artigo ainda tinha uma seção de agradecimentos com 28 linhas — ou seja, 28 vezes maior que o texto principal. Moran — que foi curador do Museu de História Natural de San Diego entre 1957 e 1982 — não se esqueceu de ninguém. Ele agradeceu seus professores universitários, a pessoa que fez a revisão de seu texto e até o sujeito que botou o (pequeno) manuscrito no correio para submissão do artigo.

Pode parecer uma daquelas piadas acadêmicas, mas é sério. A referência é a seguinte e consta do índex de autores e títulos publicado pelo site da California Botanical Society:

rb2_large_gray25Moran, R. 1962. Cneoridium dumosum (Nuttall) Hooker f. Collected March 26, 1960, at an Elevation of About 1450 Meters on Cerro Quemazón, 15 Miles South of Bahía de Los Angeles, Baja California, México, Apparently for a Southeastward Range Extension of Some 140 Miles. Madroño 16:272.

Tentei encontrar uma versão on-line, mas só encontrei um exemplar digitalizado do artigo em referência hospedado no infame JSTOR. Se alguém encontrar uma cópia disponível livremente, agradeço desde já o link nos comentários.

chevron_left
chevron_right

Join the conversation

comment 0 comments

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comment
Name
Email
Website

Skip to content