http://scienceblogs.com.br/hypercubic/files/2014/02/antsbuildraf.jpg

Formigas ao mar! Larvas e operárias primeiro! [Imagem: Profª. Jessica Purcell]

Quando há uma ameaça séria à sobrevivência dos indivíduos, os animais sociais reagem com cooperação para defender o grupo. Formigas, por exemplo, são capazes de se juntar para formar barquinhos com os próprios corpos e, assim, salvar o máximo de indivíduos possível durante uma inundação. Embora esse comportamento já fosse conhecido dos entomologistas, um novo estudo descobriu como esse tipo de cooperação funciona.

Publicado na edição de hoje da PLoS ONE, o artigo de Jessica Purcell e colegas busca esclarecer a funcionalidade, a composição e a estrutura (inclusive social) desses botes salva-vidas formigueiros. Para isso, Purcell e seus colegas da Universidade de Lausanne coletaram formigas de uma planície inundável na Suíça. As amostras continham populações de formigas com diferentes proporções de operárias, ninhadas (larvas e pupas) e rainhas.

No laboratório, essas pequenas comunidades foram submetidas a condições de inundação controlada. Durante a cheia, os cientistas observaram como cada tipo de formiga se ligava às demais para formar o bote salva-vidas. Também foram testados a flutuabilidade do barquinho improvisado e a recuperação das operárias e das ninhadas após a inundação.

Não houve surpresas quanto ao papel da rainha, que é protegida pelas demais formigas e fica no centro do bote. Mas a pesquisa revelou que as operárias e as ninhadas eram extremamente resistentes à submersão. “Nós esperávamos que indivíduos submersos na base do bote sofreriam os maiores prejuízos, então ficamos surpresos ao ver que as formigas botavam sistematicamente os membros mais jovens da colônia naquela posição”, disse a Dra. Purcell ao Phys.org.

Experimentos adicionais revelaram que a causa dessa forma de cooperação não é uma ordem da rainha ou mera reflexão das castas sociais das formigas. É física simples. As larvas e pupas são colocadas na base do bote porque boiam mais facilmente, o que dá mais estabilidade ao coletivo dentro d’água. Como são mais grudentas, essas formigas novinhas também servem como cola e ajudam a manter o barquinho unido durante a enchente. Parece óbvio, mas quanto mais flutuável e coeso for o barquinho, mais formigas sobrevivem.

REFERÊNCIA

rb2_large_gray25Purcell J, Avril A, Jaffuel G, Bates S, Chapuisat M (2014) Ant Brood Function as Life Preservers during Floods. PLOS ONE 9(2): e89211. DOI: 10.1371/journal.pone.0089211


0 comentário

Fabio Henri · 22 de agosto de 2014 às 20:44

Caramba, muito interessante. Eu acho os insetos sociais fantásticos .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *