Nesta impressão artística do suposto Planeta Nove divulgada pelo Observatório Espacial Europeu (ESO), a órbita de Netuno é o círculo dourado ao redor do Sol.

Nesta impressão artística do suposto Planeta Nove divulgada pelo Observatório Espacial Europeu (ESO), a órbita de Netuno é o círculo dourado ao redor do Sol.

Essa é uma história com alguns planetas, três estrelas e suas respectivas interações gravitacionais. Às vezes, essas atrações são fatais

Desde que Plutão deixou de ser planeta, há rumores de que haveria outro mundo oculto para lá da órbita plutoniana. Vários candidatos surgiram — Haumea (que tem até anéis recém-descobertos), Éris, Quaoar, Sedna —, mas nenhum se enquadrou na nova definição de planeta. Junto com Plutão, eles ficaram classificados como planetas-anões, a série B do sistema solar. Mas talvez ainda haja alguém na rabeira da primeira divisão. Um mundo bem grande, bem escuro e muito distante. Apelidado de Planeta 9, ele vem sendo caçado nos últimos anos e parece ter deixado alguns rastros.

Entre os caçadores do Nove, estão o astrofísico Konstantin Batygin e o astrônomo Mike Brown, ambos do Caltech, o Instituto Tecnológico da Califórnia. Para Batygin, existem pelo menos cinco evidências indiretas da existência do Nove. Se esse mundo não existir, disse ele ao Science Daily, “então você gera mais problemas do que resolve. De repente, você tem cinco enigmas diferentes e tem de criar cinco teorias diferentes para explicá-los.”

Batygin e Brown descreveram as três primeiras evidências a favor do 9 num paper publicado no Astronomical Journal em janeiro do ano passado. Segundo eles, existem três objetos nos cafundós do cinturão de Kuiper cujas órbitas elípticas estão todas voltadas para a mesma direção. Outra pista é a inclinação dessas órbitas, de cerca de 30 graus “abaixo” do plano da elíptica — o plano formado pelas órbitas dos planetas conhecidos. A terceira pegada também estaria na existência de órbitas inclinadas – no caso, de pelo menos cinco objetos que estão quase na perpendicular em relação ao nosso plano.

Na verdade, a própria eclíptica teria sido entortada pelo Nove. Essa é a conclusão do estudo feito por Elizabeth Bailey, orientada de Batygin. Há anos sabe-se que a eclíptica tem 6o. de inclinação em relação ao equador solar. Para o grupo de Batygin e Brown, o culpado por tamanhas perturbações seria o Planeta Nove.

Se for assim, o 9 deve ser nosso primo maior: uma super-Terra, um mundo rochoso com tamanho situado entre a Terra e Netuno. Super-Terras são comuns e têm sido descobertas em muitos sistemas solares. Só falta um detalhe: encontrar esse mundo grandalhão e tímido. Para isso, os pesquisadores do Caltech estão usando o Telescópio Subaru do Observatório Mauna Kea, no Havaí. Se for encontrado — e talvez seja —, o Nono Planeta será bem-vindo à família do Sol e certamente será recebido com um banquete por seus descobridores.

Kronos & Krios

Não que planetas tenham fome — mas alguns sóis têm. Esse parece ser o caso da estrela HD 240430, que parece ter ingerido o equivalente a quinze massas terrestres segundo astrofísicos da Universidade Princeton. Situado a 326 anos-luz de distância, esse astro faminto faz parte de um sistema binário com HD 240429. Separadas por dois anos-luz de distância entre si, essas estrelas se orbitam lentamente, com uma volta a cada 10 mil anos. Ambas são estrelas amarelas do tipo G, como o nosso Sol, mas um pouco mais novas: têm só 4 bilhões de anos.

Estrelas binárias assim existem aos montes, mas o que torna esse sistema extraordinário é a diferença na composição química de seus membros. Como costumam ter a mesma origem, estrelas binárias são quimicamente parecidas. Era isso que a equipe do astrônomo Semyeong Oh e seus colegas de Princeton esperava encontrar.

No entanto, ao fazer a espectroscopia do par, eles descobriram que HD 240430 tem um perfil bastante incomum e distinto da vizinha e irmã. Essa é uma estrela rica em magnésio, alumínio, silício, crômio e ítrio — elementos pesados, formadores de rochas e minerais. Os elementos mais leves, como oxigênio, carbono, nitrogênio e potássio não aparecem na mesma proporção que HD 240429.

Ao perceber isso, Oh deve ter soltado uma exclamação — Oh! — antes de buscar uma explicação. Não foi muito difícil encontrá-la. Para Oh, HD 240430 engoliu seus planetas terrestres durante uma aproximação com outra estrela, ainda não identificada. Essa é a conclusão do artigo que ele e seus colaboradores publicaram no arXiv.org, plataforma de divulgação aberta de resultados preliminares.

“Interações gravitacionais com a estrela passante distorceram as órbitas dos planetas mais externos de Kronos, que acabaram deslocados para o sistema planetário interno”, explicaram os cientistas em comunicado à Sci-News. Por sua vez, os planetas maiores empurraram os menores e mais rochosos para dentro, transformando-os em jantar de sua estrela. Por isso, os pesquisadores acabaram apelidando a estrela comilona de Kronos e sua gêmea de Krios. Segundo Oh, Kronos é o “caso mais dramático de estrela do tipo solar devorando seus próprios planetas”.

Como no caso do nosso Planeta Nove, falta um detalhe importante: observar evidências mais diretas desse fenômeno. Oh e sua equipe esperam conseguir observar planetas ao redor de Kronos — se é que sobrou algum — e de Krios — se existirem, os mundos ao redor de Krios não teriam sido afetados de modo tão dramático. Assim é a gravidade entre os planetas: às vezes ela nos leva para jantar com a família e outras nos traz para ser jantado pela família.

Referências

rb2_large_gray25Konstantin Batygin, Michael E. Brown. Evidence For a Distant Giant Planet in the Solar System [Evidências para um planeta gigante distante no Sistema Solar]. The Astronomical Journal, 2016; 151 (2): 22 DOI: 10.3847/0004-6256/151/2/22

Semyeong Oh et al. 2017. Kronos & Krios: Evidence for accretion of a massive, rocky planetary system in a comoving pair of solar-type stars [Kronos & Krios: evidência para a acreção de um massivo sistema planetário num par de estrelas do tipo solar co-moventes]. arXiv:1709.05344


0 comentário

Fausto Magalhães · 10 de novembro de 2017 às 14:14

Olha. Impressionado com tanta informação sobre gravidade!
Somo tão pequenos diante de tamanha grandeza!
Ótima matéria, criativa e bem explicativa.
Surpreendeu.

Salvador Rosa · 15 de dezembro de 2017 às 16:09

Boa tarde pessoal! Eu comecei agora a pesquisar astronomia e achei essa discussão nas redes sobre se a Terra é redonda ou plana. Achava que isso já estava definido, que a ciência já tinha dito que era redonda, mais agora vi que tem cientista contextando e dizendo que é plana inclusive com bons argumentos. Vocês sabem onde posso pesquisar mais sobre o assunto? Obrigado.

    Renato Pincelli · 20 de dezembro de 2017 às 21:24

    Caro Salvador,

    É bom que esteja interessado no estudo de astronomia, mas não tome como base as redes sociais (e suas polêmicas fáceis). Há vários bons livros de divulgação astronômica de autores como Carl Sagan, Stephen Hawking, Neil deGrasse Tyson e o brasileiro Ronaldo Rogério de Freitas Mourão. Nem todos são fáceis de achar (alguns títulos já se esgotaram), mas se seu interesse for genuíno, vale o esforço. Também há bons blogs sobre o assunto, como o Mensageiro Sideral, o Astro.pt e até mesmo nossa seção de notícias astronômicas. Se quiser se aprofundar ainda mais em cursos, inclusive on-line, a Galileu tem uma boa lista de indicações. Assim sendo, boas fontes não faltam e desejo que faça bons estudos e mantenha o senso cítico ligado (mas não a ponto de duvidar de tudo o que a ciência afirma).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *