Muito agradecido

Em 1935, e.e. cummings não era levado a sério pelos editores enquanto tentava publicar seus 70 Poems. Assim, o poeta das letras minúsculas teve que pedir um empréstimo de 300 dólares à própria mãe para conseguir publicar sua coletânea de poemas. Porém, no último momento, cummings encontrou a vingança perfeita Leia mais…

Prazer, Sr. Nonsense

Edward Lear, em auto-caricatura

Em uma estação ferroviária qualquer da Inglaterra oitocentista, um gentleman comentava que suas crianças estavam lendo o Book of Nonsense. Quem quer que tenha sido, o tal senhor insistia em afirmar que Edward Lear não existia e que Lord Derby é que havia escrito o livro de poemas absurdos. Então, eis que surge outro gentleman, que estava só ouvindo a conversa e

juntanto-se espontanemente à conversação, disse — “Isso é um senhor equívoco. Eu tenho razão em saber que Edward Lear, o pintor e escritor, escreveu e ilustrou o livro inteiro.” “E eu”, disse o Gentleman, “tenho boas razões para saber, Sir, que vós estais redondamente enganado. Não existe essa tal pessoa, esse tal Edward Lear.” “Mas”, disse eu, “ela existe — e eu sou o tal — eu escrevi o livro!” Então que todos explodiram em risos, evidentemente me considerando um doido ou um piadista. Foi aí que eu tirei meu chapéu e mostrei-o, com Edward Lear e o endereço estampados em grandes tipos — e também um de meus cartões e um lenço marcado. Em meio ao espanto que devorava aqueles indivíduos incultos, eu parti, deixando-os a ranger os dentes em tumulto.

Esse senhor que aparece do nada e afirma ser Edward Lear não era doido nem piadista; era o próprio. (mais…)