Nanotecnologia nas calçadas do Cairo

ctdet03

Cairo: piso-padrão de pentágonos irregulares.

Em sua forma natural pura, o carbono apresenta-se em duas variantes: o diamante e o grafite. Seres de carbono, conhecidos como humanos, inventaram outras estruturas carbônicas: o nanotubo, o fulereno e o grafeno. Este último é basicamente uma rede ou plano bidimensional formado por anéis hexagonais de carbono. Seria possível fazer algo semelhante com apenas cinco carbonos? Cientistas japoneses e chineses acreditam que sim. (mais…)

Neurô, o metrô neural

neurô

Flagrante microscópico de um neurônio tomando um neurô, isto é, lançando um axônio através de um microtubo. [Imagem: Xiuling Li/University of Illinois]

Linhas de metrô e redes de neurônios têm muitas coisas em comum. Ambos os sistemas são complexos, caros, exigem conexões delicadas e crescem de modo lento e subterrâneo. Sim, neurônios também crescem em túneis e pesquisadores da Universidade de Illinois e da Universidade de Winsconsin estão usando microtubos para replicar esse ambiente sob o microscópio. Recém-descoberta, a técnica permite não só a observação direta do crescimento neuronal, mas vai facilitar o estudo das redes neurais e pode até acelerar e guiar o crescimento de neurônios para reparação de danos.

(mais…)

Fim de um Mistério: Majorana (ou não)

Ser ou não ser, ligado ou desligado, zero ou um, partícula ou onda. O mundo está cheio de alternativas mutuamente excludentes. Mas há também muito entre esses extremos. Muita ambiguidade, indefinição: ondas que são partículas e podem estar ligadas e desligadas, sendo e/ou não sendo. Enquanto na escala cosmológica, temos os quasares (objetos quase estelares), na escala subatômica encontramos as quasipartículas. E nenhuma quasipartícula é tão quase e tão ambígua quanto o Férmion de Majorana. Nem quase tão fácil de encontrar. (mais…)

Descoberta a bola quadrada

borosfereno

B-40, a nanobola (quadrada) de boro. [Imagem: Wang Lab/Brown University]

Ou melhor: a nanobola quadrada. Melhor ainda: a nanobora quadrada. Trocadilhos à parte (ou não, porque esse texto vai ter um monte), há uma nova bola no campo da nanotecnologia. O time que a encontrou é formado por pesquisadores da China e dos Estados Unidos. A equipe foi a primeira a apresentar evidências experimentais de que átomos de boro podem se juntar numa cadeia tridimensional fechada — similar às chamadas buckyballs, moléculas de carbono em forma de bola de futebol. (mais…)

Skip to content