Parabéns Família COTUCA!

Há exatos 50 anos atrás, no dia 11 de abril de 1967, foi realizada a primeira aula no Colégio Técnico de Campinas, na Rua Culto à Ciência, carinhosamente chamado pelos ex-alunos do colégio como o “prédio amarelo”.

E foi com imensa alegria que recebi o convite para participar como ex-aluna da Solenidade de 50 Anos do COTUCA, realizada na última quarta-feira, 5 de abril, no Centro de Convenções da Unicamp.

O COTUCA teve um papel fundamental na minha trajetória pessoal e profissional e na descoberta daquilo que considero minha vocação. Foi aos 14 anos que adentrei pela primeira vez no saudoso “prédio amarelo”, como única aluna mulher de uma turma de 40 alunos do curso técnico diurno de Eletro-Eletrônica, em 1993.

De lá prá cá, muita coisa aconteceu, mas o COTUCA, os amigos/irmãos que ali conquistei e seus professores nunca saíram de meu coração. MESMO! Até hoje, tenho a alegria de me comunicar com frequência com alguns professores mais próximos e os reencontros com ex-colegas do COTUCA são frequentes e sempre cheios de alegria.

Inúmeras vezes já parei para me questionar: o que faz do COTUCA um colégio tão extraordinário? Qual é a fórmula para que o COTUCA seja uma referência de ensino público de altíssima qualidade para todo o Brasil (e para o mundo, haja vista as conquistas recentes de alunos e ex-alunos do COTUCA mundo afora)?

Há quem diga que é o seleto conjunto de alunos. Outros dirão que são os professores muito bem capacitados e selecionados. Alguns se lembrarão que existe uma Unicamp por trás do colégio. Mas eu penso que, apesar destas componentes serem muito importantes, existe algo de mágico que só o COTUCA tem: um relacionamento afetivo entre alunos, professores, funcionários e a comunidade, que acaba construindo não apenas uma escola, mas uma família.

De fato, nos discursos da solenidade realizada na última quarta-feira, inúmeras foram as referências à “família COTUCA”.

E como foi emocionante ver a reunião dessa grande família.

Alguns dos ex-alunos da primeira turma de 1967 estavam sentados na primeira fileira do Centro de Convenções. Em alguns momentos, pude testemunhar algumas trocas de risadas daqueles respeitosos senhores que mostravam que, quando juntos, não passam de jovens moleques, colegas de colégio técnico. Uma outra turma, mais recente, de 1975 :), veio toda uniformizada,  guardando por décadas, a identidade da sua turma.

Quanto aos professores e funcionários, eles sempre foram os alicerces dessa grande família e receberam inúmeras homenagens. Um professor do COTUCA nunca é apenas um professor, ele também é um mentor que não hesita em te redirecionar quando necessário. Muitos dos funcionários do COTUCA não saem de nossa memória por terem nos acompanhado com dedicação num momento de grande transformação em nossas vidas: seja separando uma marmita mais quentinha e menos amassada no almoço, seja nos salvando de uma suspensão por um livro atrasado da biblioteca.

No momento em que o Ensino Médio sofre tantas transformações no Brasil, o que eu mais posso desejar é que exemplos como o do COTUCA sejam multiplicados Brasil afora.

Como sempre, a Unicamp cumpre seu papel de desbravar terrenos e apresentar modelos que funcionam.

Após a interdição de parte do saudoso prédio amarelo da Culto à Ciência, o COTUCA está em casa provisória.

Recentemente, foi anunciado que o antigo prédio pode vir a ser uma nova sede do Museu Exploratório de Ciências da Unicamp.

Confesso que nada parece fazer mais sentido: ver o COTUCA de casa nova no campus da Unicamp e o antigo prédio servindo o propósito de divulgação científica para a população de Campinas.

Maquete do “Prédio Amarelo” do COTUCA exposta no Centro de Convenções da Unicamp. (Foto: Raquel Franco)

Paula D. Paro Costa

Cientista desde o nascimento, Engenheira e Professora da Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação, na Unicamp. Atua nas áreas de processamento digital de imagens, aprendizado de máquina, ciência dos dados e computação afetiva. Nas horas vagas, trabalha para que crianças e jovens tenham contato com as áreas de ciências, engenharia e tecnologia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Skip to content