Qual é a graça?

Cientistas de uma universidade do Canadá respondem porque algumas palavras nos parecem tão engraçadas Às vezes basta folhear um dicionário para encontrar algo engraçado e rolar de rir. Por exemplo: Pindamonhangaba. Macuco. Brenha. Terebintina. Aquidauana. Inhaca. Palavras como essas podem parecer engraçadas pra muita gente — e se você não Leia mais…

A ciência do ITI MALIA

Quando falamos como os catioros, eles parecem entender o que queremos dizer. Mas será que entendem mesmo? O cão é o melhor amigo do homem há milênios e, embora não tenha aprendido a falar, nosso companheiro quadrúpede aprendeu a se comunicar conosco. Dos imperativos como “senta!” e “pega!” aos afetuosos Leia mais…

Os sotaques dos morcegos

Na selva de pedra, cada tribo fala de um jeito diferente, que é facilmente aprendido pelas crianças. O mesmo acontece com aquelas criaturinhas que vivem penduradas de cabeça pra baixo, os morcegos. Dentre as muitas coisas que aprendemos com nossas mães está o modo de se comunicar. O termo “língua Leia mais…

Lincos, a linguagem cósmica

Dizem que quando chegou à Austrália, James Cook e seus tripulantes ficaram intrigados com duas coisas: os aborígenes e aqueles grandes animais providos de bolsas e longas caudas que pululavam por ali. Cook teria perguntado a um nativo que bicho era aquele e lhe responderam “kangaroo”. Reza a lenda que Leia mais…

A ordem dos piados altera o produto

P. minor

Parus minor ou chapim-japonês: um páçaro que não sofre de dislexia? Creio que sim.

Cá vem esse ler artigo. Artigo esse cá ler vem. Esse ler cá artigo vem. Vem cá ler esse artigo. Pronto, agora sim, podemos começar. Se você estranhou a estrutura das três primeiras orações, teu senso de análise sintática está funcionando muito bem. Agora, falando (ou melhor, escrevendo) sério: você, humano, não é o único a estranhar a colocação diferente de determinadas combinações fonéticas. (mais…)

MIT descobre o universal linguístico (ou não)

596px-Bruegel_d._Ä.,_Pieter_-_Tower_of_Babel_-_Museum_Boijmans_Van_Beuningen_Rotterdam

Torre de Babel (Pieter Bruegel, o velho. c. 1563)

[tradução e adaptação de: “MIT claims to have found a “language universal” that ties all languages together“, por Cathleen O’Grady, no Ars Technica]

Ao redor do mundo, as línguas assumem uma estonteante variedade de formas — a tal ponto que isso mantém um longo debate sobre se todas as línguas podem ter alguma propriedade em comum. Agora, de acordo com um paper publicado na edição dessa semana da PNAS, há um novo candidato ao fugidio título de “universal linguístico”. Todas as línguas, segundo os autores, se organizam de tal modo que conceitos relacionados ficam tão próximos quanto possível dentro de uma frase, facilitando a compreensão da noção geral que expressam. (mais…)

Em uma palavra [204]

grimpa (grim.pa) s.f. 1. a parte mais alta; cume, topo, ápice: “o pássaro se escondeu na grimpa do pinheiro”. 2. por ext., cabeça, cocoruto: “levantar a grimpa”. 3. pedaço de metal móvel que indica a direção do vento num cata-vento:  “o vento grimpava na grimpa grimpada”. Há dois verbos grimpar Leia mais…

“12. Horizontal: cidade ucraniana (4 letras)”

“Poderia ser Kiev, mas não dá porque a segunda letra é um V. E agora?” Se lhe parece uma cruzada de nível muito difícil, é porque você não conhece a maior do mundo. São 19 quadrados de largura por 34 de altura. No total, 38 palavras na horizontal e 40 na vertical. Não parece muito — até você se dar conta de que essa cruzada tem mais de 30 metros de altura e ocupa a parede inteira de um edifício residencial. (mais…)