Qual é a graça?

Cientistas de uma universidade do Canadá respondem porque algumas palavras nos parecem tão engraçadas Às vezes basta folhear um dicionário para encontrar algo engraçado e rolar de rir. Por exemplo: Pindamonhangaba. Macuco. Brenha. Terebintina. Aquidauana. Inhaca. Palavras como essas podem parecer engraçadas pra muita gente — e se você não Leia mais…

Hai-kais periódicos

Conhecido pelo tamanho diminuto e a temática elementar, esse tipo de poesia japonesa parece perfeito para descrever os elementos químicos Resumir tudo em apenas três versos de poucas sílabas. Esse é o desafio enfrentado por quem cria um hai-kai, (ou haicai ou mesmo haiku) poema tipicamente japonês. Do silêncio das Leia mais…

Pombos letrados

pombos1

Pombos não sabem jogar xadrez mas entendem de ortografia, segundo estudo

Eles vivem nas cidades, cagam em qualquer lugar, têm cabeça pequena e um vocabulário limitado: pruuu, pruuuu. Pombos podem parecer a antítese de gente letrada, mas eles são a única espécie não-primata capaz de distinguir palavras. Essa é a conclusão de uma pesquisa feita por cientistas das Universidades de Otago (Nova Zelândia) e Ruhr (Alemanha). (mais…)

As reviravoltas em torno de KIC 8462852

TabbyStar

Concepção artística de KIC 8462852 segundo a hipótese da nuvem de cometas

Nos últimos meses uma estrela tem causado polêmica na comunidade astronômica e vem sendo reportada com estardalhaço na mídia. KIC 8462852 é o nome da estrela que se tornou alvo de especulações quando uma astrônoma revelou seu padrão de luminosidade, considerado irregular e inexplicável. Não demorou muito para aparecer uma hipótese de que o comportamento do astro fosse reflexo da presença de uma civilização extraterrestre bastante avançada em suas imediações. Pesquisas mais recentes mostram que não é para tanto. (mais…)

A ordem dos piados altera o produto

P. minor

Parus minor ou chapim-japonês: um páçaro que não sofre de dislexia? Creio que sim.

Cá vem esse ler artigo. Artigo esse cá ler vem. Esse ler cá artigo vem. Vem cá ler esse artigo. Pronto, agora sim, podemos começar. Se você estranhou a estrutura das três primeiras orações, teu senso de análise sintática está funcionando muito bem. Agora, falando (ou melhor, escrevendo) sério: você, humano, não é o único a estranhar a colocação diferente de determinadas combinações fonéticas. (mais…)

Magnetismo que dá nos nervos

nervos

Desde que Luigi Galvani deu uns choques numas pernas de rãs, no fim do século XVIII, os médicos e cientistas sabem que os nervos são condutores de corrente elétrica. Em meados do século XIX, Maxwell estabeleceu a inter-relação entre eletricidade e magnetismo. Desde então, cientistas têm buscado um meio prático e confiável para medir o magnetismo gerado pela rede elétrica do sistema nervoso. Um novo tipo de dectector está nascendo nos laboratórios da Dinamarca e parece ser o graal do biomagnetismo. (mais…)

Halobenzenopoesia

Reações de amido de potássio Com halobenzenos em amônia Via intermediários de benzeno ocorrem. Bergstrom e colaboradores reportam, Baseados em competições entre dois componentes, Que bromobenzeno é o mais rápido a reagir, De perto seguido pelo iodobenzeno, Com o cloro-composto bem atrás E fluorobenzeno sendo bastante inerte No ponto de Leia mais…

Em uma palavra [201]

fornilho (for.ni.lho) s.m. 1. pequeno forno ou fogareiro: “o fornilho caiu”. 2. parte do cachimbo onde arde o fumo: “o fornilho caiu…”. 3. barril de pólvora estrategicamente enterrado para explodir seu entorno; bomba, mina terrestre artesanal: “SEGURA ESSE FORNILHO!!!”. [do espanhol hornillo = forninho]