Tomando a parte do leão

O Capitão C. Kennedy relata, em sua Journey through Algeria and Tunis [Jornada através da Argélia e Tunísia]: — “Nós estávamos ansiosos por saber se havia qualquer chance de outro leão ser encontrado nas redondezas e fomos informados que sem dúvida haveria muitos. Mas tal era a natureza do terreno Leia mais…

Patentes Patéticas (nº. 152)

US06983493-20060110-D00001

Quem nunca teve uma ideia genial em pleno banheiro? Não só debaixo do chuveiro mas também em cima da privada, em pleno uso do aparelho excretor. É bom lembrar ao Sr. Fidelix que aparelho excretor pode não reproduzir mas produz. Produz ideias excretáveis brilhantes como a Retractable Table Top for a Toilet [Mesinha Retrátil para uma Privada]: (mais…)

“Anúncios Curiosos na Igreja”

sleeping congregation

“Sleeping Congragation” (William Hogarth, 1728)

Independente da religião, sempre há um momento bastante solene no culto, missa ou ritual. Pode ser um sermão ou pregação, uma oração ou a leitura da respectiva escritura sagrada. Por vezes, porém, essa solenidade toda pode ser perdida por motivos diversos. O Rev. R. Wilkins Rees relata alguns causos de sermões que deram errado no ensaio “Curious Anouncements in the Church”, publicado em Ecclesiastical Curiosities (ANDREWS, 1899). Vamos começar com um pequeno mal-entendido: (mais…)

Muito agradecido

Em 1935, e.e. cummings não era levado a sério pelos editores enquanto tentava publicar seus 70 Poems. Assim, o poeta das letras minúsculas teve que pedir um empréstimo de 300 dólares à própria mãe para conseguir publicar sua coletânea de poemas. Porém, no último momento, cummings encontrou a vingança perfeita Leia mais…

Os paradoxos das sinfonias silenciosas

Um ouvinte mais desatento poderia dizer que perdeu quatro minutos e meio após ouvir 4’33”, de John Cage. Composta em 1952, essa pequena peça para piano é, sem dúvida, a composição mais silenciosa possível. Mas 4’33” não é a única “sinfonia de silêncio”, por mais paradoxal que o termo possa parecer.

Silêncios — em forma de pausas relativamente breves — são importantes em qualquer composição musical. Mas quando temos uma peça inteira em silêncio, ela ainda é música? O que é música, afinal? Ao apresentar seus quatro minutos e meio de silêncio, John Cage (1912-1992) buscava levantar exatamente essas perguntas.

Pioneiro da chamada música aleatória, Cage queria fazer a audiência ouvir como música os sons ambientes da sala de concerto, apresentando ruídos como arte. Silêncio, por favor: (mais…)

Zavin vs. Zavin

Em 1961, era relativamente fácil se divorciar no estado de Oregon (EUA). Se um cônjuge conseguisse provar que o outro havia quebrado o contrato marital, o casamento estava desfeito. A maneira mais simples (e presumivelmente a mais comum) era comprovar que o outro cônjuge havia cometido adultério. O problema é Leia mais…

Skip to content